MENU

Raio-X: rival do Vasco, Nacional-URU quer surpreender na Libertadores

Raio-X: rival do Vasco, Nacional-URU quer surpreender na Libertadores

Atualizado: Segunda-feira, 12 Dezembro de 2011 as 10:35

O cabeça de chave no grupo do Vasco na Libertadores de 2012 é um dos clubes mais tradicionais do Uruguai: o Nacional-URU. A equipe chega à disputa apostando no histórico na principal competição sul-americana. Os tricolores já conquistaram o torneio em três ocasiões: 1971, 1980 e 1988. Na segunda, tirou a taça do Internacional, no Estádio Centenário, em Montevidéu, apoiado por cerca de 65 mil torcedores.

O ano de 2011 começou de um jeito e terminou de outro, completamente diferente, para o Nacional-URU. Desacreditada, a equipe apostou no trabalho do técnico estreante Marcelo Gallardo, ex-jogador do clube, que havia encerrado a carreira no mesmo ano. Após um início repleto de empates e uma derrota para o modesto Bella Vista na sétima rodada, o grupo se reuniu. Nas conversas, reveladas pelo goleiro Rodrigo Muñoz ao jornal uruguaio "El Pais", o time decidiu se fechar pelo objetivo. Acabou campeão do torneio Apertura de 2011, liderado pelo veterano Álvaro Recoba. O jogador de 35 anos começou no banco em todas as partidas, mas sempre entrou no segundo tempo, como estratégia de Marcelo Gallardo para preservá-lo fisicamente.

Recoba: o principal nome do Nacional-URU no Apertura 2011, mas também para a Libertadores (Foto: AFP) Um trunfo do clube foi o Estádio Centenário. Das 15 partidas no Apertura, foram sete em casa, sendo cinco vitórias e dois empates. Fora de casa, foram oito jogos, sendo quatro vitórias, três empates e uma derrota. O aproveitamento do Nacional-URU na competição foi de 71%. O Corinthians, campeão brasileiro em 2011, teve 62,3% de aproveitamento. Ao todo, foram 30 gols marcados e apenas 11 sofridos.

Apesar de ser o campeão do Apertura, o Nacional-URU não é tido como o favorito do país para a Libertadores. De acordo com o jornalista uruguaio Daniel Rosa, do diário "El País", o Peñarol está à frente, já que o retrospecto dos tricolores na competição em 2010 foi ruim. O Nacional-URU foi eliminado para o Cruzeiro, nas oitavas de final, após perder as duas partidas, uma por 3 a 1 e outra por 3 a 0. Em 2011, o Nacional-URU não participou. O Peñarol chegou à final da última edição do torneio, perdendo o título para o Santos. O time pentacampeão da Libertadores está na fase prévia da competição em 2012, e encara o Caracas-VEN.

No Brasil, o clube é conhecido por ser o time de coração do atacante Loco Abreu, do Botafogo. O jogador de 35 anos, inclusive, atua com uma camisa do Nacional-URU por baixo do uniforme do Glorioso, como forma de superstição. Apesar disso, não há nenhuma tratativa para o atleta voltar ao clube por enquanto.

Esquema tático: o 4-2-3-1 mutante de Marcelo Gallardo

O Nacional-URU tem uma espécie de esquema tático mutante. Tudo isso por conta da necessidade do técnico Marcelo Gallardo de poupar o veterano e principal jogador do time, Álvaro Recoba. O atleta de 35 anos começou todas as partidas como reserva, mas entrou na segunda etapa. Com isso, o comandante iniciou os jogos com um 4-4-2, alternando no tempo complementar para um 4-2-3-1.

A escalação começa com o goleiro Muñoz. Na zaga, Alexis Rolin e o brasileiro Jadson Viera, que já teve passagem pelo Vasco. Nas laterais, Diego Placente e Christian Nuñez, que se recuperam bem das investidas ofensivas para ajudar na marcação. O meio de campo começa com os dois volantes centralizados, Maximiliano Calzada e Matías Cabrera, que auxiliam tanto o setor defensivo quanto a armação das jogadas de ataque. Até esse ponto do campo, o esquema segue o mesmo, tanto no 4-4-2, quanto no 4-2-3-1.

Nacional: esquema 1 representa o time com Álvaro Recoba, utilizando três meias de criação. Sem o veterano, a equipe fica com dois atacantes e dois meias ofensivos (Foto: ArteEsporte) Com Recoba em campo, o treinador utiliza três meias de criação e apenas um centroavante. O veterano cai mais pela esquerda, enquanto Facundo Píriz joga no meio e Tabaré Viudez fica pela direita. O trabalho dos dois é liberar espaço para que Recoba possa criar com tranquilidade. Alexander Medina fica sozinho na área. A ideia é que ele esteja sempre em boa posição para finalizar.

Já sem Recoba, na primeira etapa, o esquema é diferente. Facundo Píriz e Tabaré Viudez ficam responsáveis pela criação das jogadas no meio de campo e por criar boas situações para os atacantes. Medina cai mais pela direita e ganha um companheiro no ataque, que se movimenta mais pela esquerda. Muitos jogadores já passaram pela posição, mas Boghossian se destaca entre eles.

De acordo com o jornalista Daniel Rosa, setorista do Nacional-URU no diário "El País", o grande triunfo de Marcelo Gallardo foi saber utilizar a experiência e o talento de Álvaro Recoba.

- O que ele sempre pediu à diretoria foi tempo para trabalhar. Fez mudanças na equipe, mesclou atletas de experiência com alguns jovens. E encontrou o jeito certo de utilizar Recoba. Os resultados chegaram - relatou, por telefone.

Reforços e dispensas à vista

O técnico Marcelo Gallardo já pensa na disputa da Libertadores em 2012. E, para isso, monta a barca do Nacional-URU. O principal nome a ser dispensado é o polêmico atacante Horacio Peralta, que jogou 17 das 22 partidas do time como titular em 2011, mas não seguirá por ter ido pescar dias antes do duelo contra o Liverpool, que valia o título, ter ficado resfriado e, consequentemente, inapto a entrar em campo. Peralta teve curta passagem pelo Flamengo. Dois brasileiros deverão sair do Nacional-URU. Um deles é o zagueiro Anderson Silva. Ele chegou ao clube após ficar seis meses sem jogar. Atuou em nove oportunidades, sendo três como titular. Sem impressionar, em setembro ficou sabendo que não seria utilizado pelo técnico Marcelo Gallardo. O segundo é Gabriel Marques, que atua como volante e zagueiro. Contratado como peça fundamental do River Plate-URU, não conseguiu repetir as boas atuações e perdeu espaço. Charquero, Poclaba e Sosa também deverão ser negociados. Jadson Viera deverá seguir no time.

Um dos pretendidos é o zagueiro Andrés Scotti, da seleção uruguaia e do Colo Colo, do Chile. O triunfo da diretoria é que o atleta tem identificação com o time, por onde jogou de 2001 a 2003. Scotti foi titular na campanha do Uruguai na Copa do Mundo de 2010. De acordo com o diário "El País", a possibilidade de contratação é boa.

Festa do título do Nacional-URU no Apertura de 2011 (Foto: EFE) O maior sonho do técnico Marcelo Gallardo é o atacante Fernando Cavenaghi, atualmente no River Plate, da Argentina. Ele já teve uma passagem pelo Internacional, mas não conseguiu se firmar. O jogador de 28 anos é um dos principais nomes do clube argentino na campanha da luta pelo acesso.  No momento, não há negociação em curso.

Confira os titulares do Nacional-URU

Rodrigo Muñoz (29 anos), goleiro

Após nove anos no Cerro-URU, o arqueiro chegou ao Nacional-URU. Tido como um goleiro que não inventa nas defesas, tem um excelente reflexo e sofreu apenas 11 gols no Apertura de 2011, tendo sido crucial na campanha do time.

Christian Nuñez (29 anos), lateral-direito

Tem 29 anos, e foi campeão do Apertura de 2009, também com a camisa do Nacional-URU. Destaca-se pela boa aproximação ao ataque. Também é bom na marcação, mas a ofensividade é sua principal característica.

Alexis Rolin (22 anos), zagueiro

Subiu das divisões de base do Nacional-URU para suprir a saída de Sebastian Coates, que defende o Liverpool-ING. É um jogador jovem, que se destaca pela versatilidade em campo. Pode atuar em todas as posições do sistema defensivo: zagueiro, volante e lateral. É uma espécie de coringa do elenco.

Jadson Viera (30 anos), zagueiro

A principal característica é a qualidade no jogo aereo. Além disso, marca bem dentro da área. O principal defeito é a lentidão. Costuma perder na corrida. Defendeu o Vasco em 2010, mas teve poucas chances com o técnico Paulo César Gusmão no comando.

Diego Placente (34 anos), lateral-esquerdo

Não começou bem o ano de 2011, tendo atuações abaixo do esperado. Com o tempo, ganhou confiança e espaço na equipe. É um lateral experiente, tendo passado por times como River Plate, Bayer Leverkusen, Celta de Vigo e Bordeaux.

Maximiliano Calzada (20 anos), volante

É um jovem de bastante qualidade técnica. Consegue sair bem com a bola e se recuperar rapidamente quando desarmado. Veio da base do Nacional-URU e já defendeu as seleções juvenis do Uruguai.

Matías Cabrera (25 anos), volante

Depois de se destacar pelo Cerro-URU, foi para o Nacional-URU em 2009. No primeiro ano, foi campeão do Apertura, e novamente em 2011. Jogador versátil. Atua como volante central, mas pode fazer a função na lateral e também como meia. Segundo Daniel Rosa, de "El País", tem o melhor passe do elenco.

Álvaro Recoba (35 anos), meia

É o principal nome da equipe. Canhoto, impressiona pela habilidade com a bola nos pés e tem a experiência a seu favor. Destacou-se, principalmente, pelo Inter de Milão. No Nacional-URU, foi um dos principais goleadores no ano, tendo balançado as redes em cinco ocasiões.

Facundo Píriz (21 anos), meia

Sabe trabalhar bem a posse de bola, demonstra habilidade para segurar o jogo. Quando desarmado, consegue se recuperar rapidamente. Foi um dos destaques das categorias de base da seleção uruguaia e já teve oportunidades na principal. É da base do clube.

Tabaré Viudez (22 anos), meia

Revelado pelo Defensor Sporting-URU, foi para o Milan, onde não vingou e foi dispensado. Já passou pelo Necaxa-MEX, antes de fechar com o Nacional-URU. É um jogador veloz, ágil e de boa técnica. Além de ter bom passe e encaixar bem com Álvaro Recoba, também tem faro de gol.

Alexander Medina (33 anos), atacante

Tem ascendência italiana e já rodou por diversos clubes, entre Uruguai, Espanha, Argentina e Chile. É conhecido como "El Cacique". Joga muito bem coletivamente, sabe se posicionar evitando o impedimento e facilitando os passes de Recoba, Píriz e Viudez. Sabe atuar como ponta, mas também como centroavante fixo na área.        

veja também