MENU

Rajevac valoriza 'pequeno milagre'

Rajevac valoriza 'pequeno milagre'

Atualizado: Quinta-feira, 1 Julho de 2010 as 9:57

O primeiro Brasil x Gana em Copas do Mundo foi histórico para os africanos. O segundo, se acontecer, será mais ainda. Apesar de garantir que todos na sua equipe pensam apenas no jogo contra o Uruguai, nesta sexta-feira, pelas quartas-de-final, o técnico Milovan Rajevac diz que seria especial para os ganeses ter a seleção brasileira novamente pela frente.

- O Brasil eliminou Gana no Mundial passado, na primeira vez em que a seleção ganesa participou de uma Copa. Chegaram às oitavas-de-final e foi resultado muito bom. Se as duas seleções se encontrarem de novo será uma grande semifinal. Um jogo especial. Esperamos chegar lá. Está tudo dando certo para nós e estamos conseguindo fazer um pequeno milagre - afirma o treinador.

Rajevac, porém, quer ver seus jogadores concentrados no desafio diante dos uruguaios. Para ele, não há nada de diferente a ser feito para esta partida.

- Não temos fórmula especial, não há segredo algum por trás dos bons resultados de Gana. Nós sabemos o que temos que fazer para alcançar os nossos objetivos e trabalhamos muito para isso. Foi assim nos outros jogos e é o mesmo em relação ao próximo confronto.

Mesmo com Gana vivendo seu conto de fadas na África do Sul, Rajevac não esquece o início difícil e os problemas que enfrentou quando assumiu o cargo em 2008.

- Logo na minha primeira semana em Gana, eu e minha mulher pegamos malária. Eu tive que deixá-la sozinha e, ainda doente, viajar para a Líbia para o meu primeiro jogo como treinador da equipe, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. Com menos de 20 minutos de jogo, nosso melhor jogador, Michael Essien, sofreu uma grave lesão no joelho. A quatro minutos do fim, a Líbia marcou um gol e nós perdemos a partida. Foi um início muito difícil, em que você se pergunta: "o que eu vim fazer aqui?". Mas, por outro lado, isso me ajudou a me acostumar às dificuldades. Quando os bons resultados vêm, tudo fica mais fácil.   Por Rafael Maranhão Direto de Rustemburgo, África do Sul

veja também