MENU

Rogério Sampaio conta como foi a sua luta levar Andressa Fernandes para Pequim

Rogério Sampaio conta como foi a sua luta levar Andressa Fernandes para Pequim

Atualizado: Sexta-feira, 8 Agosto de 2008 as 12

Rogério Sampaio conta como foi a sua luta levar Andressa Fernandes para Pequim

"Eu sou brasileiro e não desisto nunca!", disse o campeão olímpico

 

"O slogan do movimento 'O Melhor do Brasil é o Brasileiro', lançado pela ABA (Associação Brasileira de Anunciantes), em 2004, que diz: 'Eu sou brasileiro e não desisto nunca!' talvez seja a frase mais apropriada para sintetizar a minha luta para que a atleta Andressa Fernandes pudesse exercer o seu direito legítimo de competir nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Desde a última terça-feira, dia 5, quando foi divulgado o corte de Érika Miranda, tenho recorrido às autoridades e à imprensa no intuito de conscientizar os dirigentes quanto a importância da participação da reserva Andressa Fernandes na disputa da categoria meio-leve do judô feminino, no próximo domingo, dia 10.

Apesar das decisões contrárias parecerem irrevogáveis, nunca perdemos a esperança. Andressa, seu técnico Ivo Nascimento e eu nos dispusemos a levar essa luta até o fim. Exatamente por isso, passei a última madrugada inteira ao telefone, em contato com o presidente da Confederação Brasileira de Judô, Paulo Wanderley Teixeira, que só havia chegado ontem à Vila Olímpica.

Sensibilizado com a situação da judoca e entendendo a importância que a participação em uma olimpíada tem para um atleta, Wanderley não poupou esforços. Primeiro, o dirigente se empenhou para conseguir inscrever a atleta junto à FIJ - Federação Internacional de Judô -, já que o sorteio para a competição olímpica aconteceria hoje e ontem era a data-limite para a alteração dos nomes dos representantes de cada categoria.  Graças aos esforços pessoais de Wanderley, Andressa não é mais a reserva, mas seu nome já consta entre as titulares para a disputa de domingo.

Na batalha final, contamos com o apoio do Comitê Olímpico Brasileiro, que providenciou todos os detalhes para a viagem da judoca.

Em 13 anos dedicados ao judô, Andressa sempre se destacou por ser uma atleta disciplinada que cumpre à risca todas as suas obrigações. Ela nunca protagonizou nenhum episódio de indisciplina e se manteve empenhada para realizar o sonho de ser uma atleta olímpica mesmo depois do embarque da equipe principal. Como reserva, que conquistou sua vaga nos tatames, Andressa Fernandes preocupou-se em manter-se no peso e jamais negligenciou os treinamentos físicos e técnicos.  

A representante do Brasil na categoria meio-leve embarca hoje à tarde, às 16 horas, do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, num vôo da British Airlines, em busca do sonho olímpico. É certo que ela teria melhores condições de luta se já tivesse embarcado na terça-feira, dia do corte de Érika Miranda.

Apesar de tantos percalços, a atleta já chegará a Pequim como uma vencedora. Ela vai ter a oportunidade de competir, de apresentar o seu melhor e, quem sabe, de conquistar uma medalha olímpica. A trajetória de Andressa Fernandes até chegar às Olimpíadas foi marcada por muitas dificuldades, mas acredito que ela possa surpreender na competição de domingo. Afinal, a superação faz parte da história dos grandes campeões.

Quero registrar o meu agradecimento ao presidente da Confederação Brasileira de Judô, Paulo Wanderley Teixeira, que agiu de maneira exemplar em defesa da bandeira verde-amarela em Pequim. Meu muito obrigado também ao COB, em especial ao seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, e ao chefe da delegação brasileira em Pequim, Marcos Vinícius Freire. Destaco ainda a importância do apoio de todos os colegas da imprensa, que ao divulgarem a minha luta, lutaram também comigo.

Esse não foi um ippon como os que eu conquistava nos meus tempos de atleta. Essa luta levou tempo, foi cansativa, mas coroada com vitória. Uma vitória por pontos, mas legítima. Que venham agora os verdadeiros adversários olímpicos."

veja também