MENU

Ronaldo: uma carreira recheada de títulos, recordes e glórias

Ronaldo: uma carreira recheada de títulos, recordes e glórias

Atualizado: Segunda-feira, 14 Fevereiro de 2011 as 9:28

Duas vezes campeão do mundo com a seleção brasileira, três vezes melhor jogador de futebol do planeta, maior artilheiro da história das Copas... Ronaldo se despede dos campos, mas deixa seu nome escrito na história do esporte. O Fenômeno, que também ergueu taças no Brasil, na Espanha, na Holanda e na Itália, é um verdadeiro colecionador de glórias e títulos.

Revelado pelo São Cristóvão, do Rio de Janeiro, foi no Cruzeiro que Ronaldo começou a ganhar projeção. Estreou aos 16 anos e não precisou de muito tempo para chamar a atenção. Ainda como promessa das categorias de base, foi alçado ao time profissional em 1993. Mesmo não estando no elenco principal, ganhou naquele ano o seu primeiro título: a Copa do Brasil. Era só a primeira medalha que penduraria na vasta galeria. Em 1994, antes de fazer as malas e ir embora para a Europa, ganhou o Campeonato Mineiro, quando foi o goleador máximo da competição, marcando 21 gols.

Convocado por Carlos Alberto Parreira para a Copa do Mundo de 1994, integrou o elenco no Mundial dos Estados Unidos. Sequer entrou em campo, mas fez parte do grupo vencedor. E, querendo ou não, é um dos “tetras”.

Na carreira, foi campeão em quase todos os clubes em que jogou. Com exceção do Milan, sua última equipe na Europa, nas outras o Fenômeno está em algum pôster ou tem o nome em alguma faixa.

A primeira conquista em território estrangeiro foi em 1996. Com a camisa do PSV, ganhou a Copa da Holanda, o segundo torneio mais importante do país. No Barcelona foi campeão da Supercopa da Espanha, da Copa da Espanha e da Recopa Europeia. E, vestindo azul e grená, chegou ao topo do mundo, sendo eleito pela Fifa o melhor jogador de futebol da Terra, prêmio que voltaria a ganhar em 1997 (no Inter de Milão) e em 2002 (no Real Madrid).

No Inter, faturou a Copa da Uefa de 1998, antes de romper o tendão patelar do joelho esquerdo. A cirurgia o deixou fora de ação por cinco meses. Em 98 também teve chance de brilhar na Copa do Mundo da França, mas a decisão contra os donos da casa, não é a recordação que o atacante mais gosta de ter: derrota de 3 a 0 e um vice amargo.

Em 2002, após se recuperar de mais uma grave lesão, agora no joelho direito, o seu grande momento: dividindo os méritos com Rivaldo, Ronaldo foi um dos maiores nomes da Copa do Mundo organizada em conjunto por Coreia do Sul e Japão, o que lhe deu, de novo, o prêmio da Fifa. A final, quando fez os dois gols da vitória de 2 a 0 sobre a Alemanha, é uma das partidas mais memoráveis da sua gloriosa carreira. Defendendo o Real Madrid, mais títulos para a coleção: Mundial (2002), Campeonato Espanhol (2003 e 2007) e Supercopa da Espanha 2007.

Ronaldo disputou sua quarta Copa do Mundo em 2006. Na Alemanha, não brilhou, não ganhou, mas registrou seu nome no livro dos recordes. Com os três gols que anotou, chegou a 15 e superou o alemão Gerd Muller para se tornar o maior artilheiro da história dos Mundiais.

O Milan, clube que defendeu entre 2007 e 2008, é o único em que o Fenômeno entrou e saiu sem gritar “é campeão” nenhuma vez. Jogou só 20 partidas e sofreu mais uma séria lesão no joelho. De novo, cirurgia, tratamento e a dúvida: será que ele volta?

Voltou. Voltou ao seu país. Voltou a jogar. Voltou a ser campeão. Contratado pelo Corinthians no fim de 2008, foi o grande nome da reconstrução do Timão após o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro. Títulos? Foram dois: Paulista e Copa do Brasil em 2009. Frustrações foram três: as duas Libertadores que deixou escapar e o Brasileirão do ano passado.

Ronaldo encerra a sua carreira nesta segunda-feira e provavelmente não tem mais lugar para pendurar medalhas ou exibir troféus nas prateleiras da sua casa.

Ele é um campeão! Ele é um Fenômeno!

veja também