MENU

Santos x Deportivo Táchira: em jogo, o futuro do Peixe e o de suas estrelas

Santos x Deportivo Táchira: em jogo, o futuro do Peixe e o de suas estrelas

Atualizado: Quarta-feira, 20 Abril de 2011 as 9:30

Ganso e Neymar: as maiores revelações do Peixe desde a geração Robinho, que surgiu em 2002 (Foto: Ricardo Saibun/Agência Estado)

  Serão 90 minutos e mais os acréscimos que decidirão o futuro do Santos. Não apenas na Libertadores, mas na temporada inteira. Vencendo o Deportivo Táchira-VEN, nesta quarta-feira, às 19h30m (horário de Brasília), no Pacaembu, o Peixe avança às oitavas de final e garante, pelo menos por enquanto, a permanência de suas maiores estrelas, Paulo Henrique Ganso e Neymar, os dois melhores jogadores formados pelo clube desde a geração de Robinho e Diego, em 2002.

Uma eliminação apressará mudanças na Vila Belmiro. A saída de Ganso é iminente. O próprio meia admite isso. Já Neymar, que ainda não fala, pelo menos abertamente, em deixar o clube, dificilmente permanecerá. Sem Libertadores e sem possibilidade de disputar o Mundial Interclubes no fim do ano, o garoto poderá sucumbir às constantes ofertas europeias pelo seu futebol.

No entanto, a hipótese de eliminação não é considerada na Vila Belmiro. Não depois do que aconteceu na quinta-feira passada, em Assunção. O Santos entrou em campo, para enfrentar o Cerro Porteño-PAR, em situação muito delicada. Um empate já deixaria a equipe praticamente eliminada. Mesmo sob pressão e cheio de desfalques (Neymar, Elano e Zé Eduardo, suspensos, não jogaram), o Alvinegro mandou no jogo, venceu por 2 a 1 e renasceu. Seria o Táchira, um time já eliminado, enfrentando um Peixe completo e com moral, capaz de acabar com o sonho santista do tri?     Para saber a resposta, confira todos os lances dessa decisão em Tempo Real, com vídeos exclusivos, pelo GLOBOESPORTE.COM, a partir das 19h (horário de Brasília). O SporTV transmite para todo o Brasil. O argentino Nestor Pitana apita a partida, auxiliaro pelos compatriotas Gustavo Esquível e Diego Bonfa.

Santos: começa o jogo eliminado. Com oito pontos, mesmo número do Cerro Porteño, o Peixe está atrás dos paraguaios no saldo de gols (4  a 1). O Colo Colo-CHI lidera o Grupo 5, com nove. Se vencer, a equipe brasileira vai a 11 pontos e estará garantida nas oitavas, independentemente do que acontecer no confronto entre paraguaios e chilenos, em Santiago, no mesmo horário. A equipe da Vila Belmiro também pode avançar com um empate, desde que haja um vencedor no confronto do Chile.

Nesse caso, ultrapassaria o perdedor do outro jogo. Em todas essas situações, se classificaria em segundo lugar. Há ainda a possibilidade de o time de Muricy Ramalho terminar em primeiro. Para isso, precisa vencer o Táchira e torcer por um empate entre Cerro e Colo Colo. Se os dois jogos terminarem empatados, o Santos estará fora. Classificam-se paraguaios e chilenos. Deportivo Táchira: com apenas dois pontos, o time venezuelano segura a lanterna do Grupo 5. Já está eliminado e joga apenas para tentar atrapalhar a vida do Peixe e, quem sabe, se despedir com uma vitória. 

Santos: com todos os jogadores à disposição, o técnico Muricy Ramalho mandará a campo o que tem de melhor. Aliás, será a primeira vez nesta temporada que o Peixe terá força máxima. Elano, Neymar e Zé Eduardo, que cumpriram suspensões contra o Cerro e contra o Paulista (domingo passado, pelo Paulistão), estão de volta. O meia Paulo Henrique Ganso também estava suspenso do jogo contra o time de Jundiaí e está confirmado, assim como o lateral-direito Jonathan, o volante Arouca, os zagueiros Edu Dracena, Durval, o goleiro Rafael e o lateral-esquerdo Léo, todos poupados do confronto pelo estadual. A escalação é a seguinte: Rafael, Jonathan, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Danilo, Elano e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo.

Deportivo Táchira: pensando na sequência do campeonato venezuelano, o técnico Jorge Luis Pinto pretende manter basicamente a mesma formação que perdeu para o Colo Colo por 2 a 1, quarta-feira passada, no Chile. A ideia é dar conjunto ao time. A escalação: Sanhouse, Rouga, Zafra, Moreno e Chacón; Yequez, Fernández, Guerrero e Gutierrez; Herrera e Pérez Greco.

Santos: Ganso foi o grande maestro da vitória santista sobre o Cerro Porteño, na última quinta-feira. Mesmo envolto em polêmica sobre uma possível transferência para o Corinthians, o camisa 10 deu conta do recado, comandou as ações e fez com que o time não sentisse tanto as ausências de Neymar, Elano e Zé Eduardo. O técnico Muricy Ramalho já avisou que o meia terá liberdade total para criar.

Deportivo Táchira: o atacante Pérez Greco é o jogador a ser vigiado do Táchira. Atacante oportunista, incomodou bastante a zaga do Colo Colo na semana passada, marcando inclusive um gol.

Muricy Ramalho, técnico do Santos: '"Vamos entrar para jogar futebol, com tranquilidade, mas concentrados. Já falei para os jogadores esqueceram árbitro e catimba do adversário. É uma decisão e só vamos conseguir vencer se jogarmos bola. É isso o que o Santos sabe fazer."

Jorge Luis Pinto, técnico do Táchira (ao jornal A Tribuna, de Santos): "O futebol possui outras instâncias, que são o respeito, a dignidade e o orgulho. Vamos jogar estimulados por isso e para o que representamos para o futebol venezuelano "

* Esse é apenas o segundo confronto entre as duas equipes na história. O primeiro foi na primeira rodada do Grupo 5 desta Taça Libertadores: 0 a 0, em San Cristóbal, na Venezuela.

* No Grupo 5, só o Santos não conseguiu vencer os venezuelanos em San Cristóbal. O Colo Colo fez 4 a 2 e o Cerro Porteño, 2 a 0.

* O Táchira é uma das quatro equipes que ainda não venceram na fase de gruupos da Taça Libertadores. Os outros são Once Caldas-COL, Jorge Wilstermann-BOL e Guaraní-PAR.

* Esta é apenas a quarta vez que o Santos enfrenta um adversário venezuelano pela Libertadores. Além do primeiro jogo contra o Táchira, o Peixe enfrentou ainda o Caracas duas vezes, pelas oitavas de final de 2007. Na Venezuela, 2 a 2. Na Vila Belmiro, vitória santista por 3 a 2, de virada.

Um jogo chato, sem muitas chances de gol. A estreia do Santos na Taça Libertadores deste ano, contra o Táchira, foi decepcionante: 0 a 0.      

veja também