MENU

'Segunda família' recupera Minotauro e influencia acerto com Inter

'Segunda família' recupera Minotauro e influencia acerto com Inter

Atualizado: Quinta-feira, 25 Agosto de 2011 as 9:59

Quando voltou ao Brasil no começo do ano para se recuperar de uma cirurgia no quadril, Rodrigo Minotauro, uma referência nas artes marciais no país, carregava um semblante para baixo, sentia dores e não conseguia assistir às lutas, pois temia não voltar mais ao octógono. No Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, com duas muletas, teve de ver sua mala rodando pela esteira repetidamente, à espera de uma ajuda para chegar em casa. Foi desta forma que o lutador chegou até a fisioterapeuta Ângela Côrtes e um grupo de amigos especiais, que se tornaram seus anjos protetores e "segunda família" na caminhada até a recuperação, que pode ser coroada na noite deste sábado, no UFC Rio, quando enfrenta Brendan Schaub no seu primeiro combate em 18 meses.

Átila dos Santos, Rafael Feijão, Ângela Côrtes, Bodanese e Minotauro (Foto: Divulgação/Arquivo pessoal)

  Ângela entrou na vida de Minotauro indicada pelo Dr. Marc J. Philippon, responsável pelas cirurgias no quadril do atleta, em dezembro do ano passado. Ela não sabia nada de luta, mas se solidarizou com o sofrimento do paciente, que chegou ao Rio sem conseguir por o pé direito no chão havia quatro semanas e transmitia um ar de insegurança e dor. Preocupada com o aspecto psicológico, Ângela levou o lutador para sua base de recuperação para atletas: a casa do empresário Luiz Germano Bodanese, outro paciente seu, que equipou a residência com aparato especial para o tratamento fisioterápico. Neste ambiente, Minotauro formou um novo grupo de apoio, que se tornou essencial para sua recuperação.

Em Bodanese, Minotauro descobriu quase uma "alma gêmea", com quem divide brincadeiras e tardes de futebol na TV. Figura influente dentro do Internacional, o empresário gaúcho criou uma afinidade tão grande que, na última quarta-feira, participou ativamente da negociação do atleta com o Colorado.

- O Bodanese abraçou muito a minha recuperação, foi fundamental desde o começo. Participou e me deu força sempre. Depois de tanta convivência, ele decidiu que podíamos aliar o MMA com o Internacional, que é a paixão dele. Foi quando iniciamos a ideia desse casamento com o Colorado, que começou e tenho certeza que pode dar certo - conta Minotauro.

Minotauro e o novo "primo" Átila dos Santos

(Foto: Arquivo pessoal)

  A cozinheira Danielle Gomes, muitas vezes tema das brincadeiras da dupla, apelidou os dois de "adolescentes". Fã de Minotauro há anos, Danielle se empolgou com sua chegada à casa e virou amiga com o passar do tempo.

- O Minotauro chegou bem debilitado. No começo, ele era tímido. A gente foi acompanhando ele de muleta, chateado, mas o ambiente o ajudou a se recuperar e ele foi se soltando - lembra.

Rodrigo ganhou ainda um "primo" em Átila dos Santos, ala-pivô do basquete do Flamengo, que está morando na casa de Bodanese desde que chegou ao Brasil. Baiano como o lutador, Átila logo se identificou com o ex-campeão dos pesos pesados pelo jeito sossegado.

- Psicologicamente, ele estava bem abalado, vivia uma fase diferente do que estamos vendo agora. Mesmo com os nossos problemas diferentes, a gente se juntou. Ele mudou da água para o vinho, se você ver como ele chegou aqui e como está agora. Quero estar lá no sábado para passar energia para ele - diz Átila.

A figura central, no entanto, é mesmo Ângela, que passou de simples médica particular a quase uma segunda mãe, acompanhando o lutador em todos os momentos e cuidando de todos os aspectos de sua vida, desde o respeito à programação diária à intensidade nos treinamentos. Às vezes, começa a trabalhar às 6h da manhã e só larga Minotauro às 2h do dia seguinte. O lutador Antônio "Pezão" Silva, outro frequentador da casa, a apelidou de "Doutora Bombril, 1001 utilidades".

- Ela foi o meu anjo. Cheguei ao Brasil muito deprimido. Sempre fui muito ativo, mas sentia dor há quatro anos e achava que não voltaria a lutar tão cedo, ficava para baixo. Posso dizer que renasci e o ambiente que foi criado em volta de mim foi 100% importante - afirma Rodrigo.

Minotauro faz fisioterapia com a Dra. Ângela Côrtes

(Foto: Divulgação/Arquivo pessoal)

  Ângela foi se envolvendo durante o processo de recuperação, cativada pelo carisma e determinação do lutador. Hoje, se esforça para equilibrar o jeito expansivo do paciente para evitar o desgaste e a perda de foco há poucos dias do combate com Brendan Schaub, objetivo final da jornada.

- Nunca vi o Rodrigo falando não para ninguém. Quando eu vejo, ele já está esgotado. Não tem como você impedir isso. A gente tenta dosar, mas ele sempre vai além. Atende todo mundo, se desgasta mais. No treino aberto, ele foi o último a ir embora, entrou pelo meio da galera - se desespera a doutora. Apesar disso, a fisioterapeuta admitiu o orgulho de ver seu paciente em excelente forma na exibição para o público na praia: - Ele foi acolhido por todos nós. Queríamos ver ele sem muleta. Sorrindo. Nesta quarta, quando vimos a alegria que ele demonstrou durante o treino aberto em Copacabana, foi comovente. Ele precisava desse energia e vai ajudá-lo muito.

O UFC Rio, ou UFC 134, acontece no próximo sábado na Arena da Barra. O canal Combate transmite todas as lutas ao vivo a partir de 18h (horário de Brasília). A página do Combate transmite a entrevista coletiva (na quinta, às 13h), a pesagem dos lutadores (na sexta, às 16h), a pré-hora com comentaristas (no sábado, às 18h) e o card preliminar (no sábado, às 19h).          

veja também