MENU

Sem esforço, Peixe goleia outra vez: 5 a 0

Sem esforço, Peixe goleia outra vez: 5 a 0

Atualizado: Segunda-feira, 29 Março de 2010 as 12

 noite chuvosa deste domingo, na Vila Belmiro, teve goleada do Santos, como nas últimas duas partidas. Mas as habituais coreografias, marca registrada dos Meninos da Vila, não foram vistas. Nos 5 a 0 sobre o Monte Azul, os jogadores do Peixe foram solidários ao atacante André, que perdeu o avô no último sábado. Apesar da tristeza, o atacante, que chorou no execução do hino nacional, pediu ao técnico Dorival Júnior para jogar. E foi dele o gol que fechou o placar.

O Santos segue na liderança do Campeonato Paulista, com 41 pontos. Já classificado às semifinais da competição, o time cumpre tabela no próximo domingo contra o São Caetano, fora de casa. Antes disso, os atletas, que levaram o time à marca de 54 gols em 17 jogos pelo Paulista, terão dois dias de folga e só voltam a treinar na quarta-feira.

Já o Monte Azul se manteve com 12 pontos, agonizando na 19ª posição. Na próxima rodada, o caçula do Campeonato Paulista recebe o Mogi Mirim.

Peixe na frente sem esforço

A resistência do Monte Azul durou até os 12 minutos, quando Neymar sofreu falta perto do bico esquerdo da grande área. Na cobrança, a posição parecia mais adequada para a cobrança do canhoto Paulo Henrique Ganso. Mas foi Marquinhos, com o pé direito, quem abriu o placar na casa santista. Com maestria, acertou o ângulo esquerdo de Luiz Carlos e correu em direção ao camarote onde estava Robinho (que, lesionado, continua fora do time) mostrando a língua - como faz o Rei das Pedaladas em seus gols.

Cinco minutos depois, Marquinhos assustou novamente a zaga do Monte Azul. Depois de passe de Neymar, ele chutou de fora da área e viu a bola bater no travessão de Luiz Carlos.

Com o passar do tempo, o Santos se acomodou e relaxou em campo. Mais frouxo na marcação, o Alvinegro assistiu passivamente ao chute cruzado de Rafael Chorão, aos 25 minutos. Mas o Santos voltaria a marcar, mesmo sem muita disposição.

Assista aos gols da partida:

Na tentativa de se livrar da bola com os pés, o goleiro Luiz Carlos acabou dividindo com André, que pressionava na frente com Neymar. O rebote caiu no melhor pé esquerdo do ataque santista, para azar do arqueiro. Frio, Ganso deu um leve toque e encobriu o goleiro do Monte Azul para fazer 2 a 0, aos 36 minutos. Nada de dancinhas nas comemorações. Ele foi ao banco de reservas para abraçar os companheiros.

- O André e o Neymar apertaram, e a bola sobrou para mim. O goleiro estava adiantado e acabou ficando mais fácil – disse o camisa 10 alvinegro.

No último lance da etapa incial, Felipe foi acionado pela primeira vez para fazer uma defesa importante. Aos 45 minutos, Neto Maranhão cobrou falta, a barreira abriu, e o camisa 1 se esticou todo para defender.

Goleada sem esforço e sem danças

Na segunda etapa, o Santos seguiu dominando a partida, ainda que em ritmo lento. O time girava a bola no meio-campo, chegava à grande área do Monte Azul, mas falhava nas conclusões. Aos nove minutos, o time visitante ainda perdeu Neto Maranhão, que tentou conter uma arrancada de Léo com um carrinho e acabou expulso.

Com um a mais, a torcida santista passou a exigir mais do time. Aos gritos, pedia para o Santos ir “pra cima deles”. E o Peixe correspondeu. Após cobrança de escanteio aos 12 minutos, a bola pererecou na área do Monte Azul até encontrar novamente os pés de Ganso, que tocou com sutileza para o fundo do gol: 3 a 0. Nada de dancinha. Era noite de abraçar o abalado André.

Sete minutos mais tarde, o Santos consolidava sua goleada, com o auxílio do goleiro Luiz Carlos. Marquinhos cobrou escanteio, e o arqueiro do Monte Azul acabou se atrapalhando com a bola escorregadia e molhada por causa da chuva fina. Ao tentar socá-la, mandou para dentro: 4 a 0 Peixe.

O placar foi completo depois que Dedê derrubou Maikon Leite na área. Na cobrança de pênalti, a torcida pedia para o goleiro Felipe se arriscar. Mas Neymar pegou a bola e colocou nas mãos de André, artilheiro do time. O camisa 9 bateu nas mãos do goleiro, mas pegou o rebote para fazer 5 a 0.

Os outros dez gols de André no campeonato terminaram com dancinhas e coreografias animadas. Mas o 11º trouxe lágrimas. Na noite do luto solidário dos Meninos da Vila, a única coreografia que se viu foi nas arquibancadas, com a "ola" dos torcedores.

veja também