MENU

Sob chuva, Atlético-MG perde para o Corinthians, e Celso Roth é demitido

Sob chuva, Atlético-MG perde para o Corinthians, e Celso Roth é demitido

Atualizado: Sábado, 5 Dezembro de 2009 as 12

De forma melancólica e debaixo de muita chuva, em um campo pesado e empoçado em algumas partes, o Atlético-MG despediu-se do Campeonato Brasileiro com derrota por 3 a 0 para o Corinthians, na noite deste sábado, no Mineirão. Souza marcou dois gols, ambos no primeiro tempo, e Bill fechou o placar na etapa final. Ao fim da partida, a diretoria atleticana anunciou a demissão do técnico Celso Roth. A equipe mineira, que tinha uma médida de público de pouco mais de 40 mil pagantes e disputava com o Flamengo o primeiro lugar, ainda amargou a sua pior marca nesta edição da competição: pouco mais de cinco mil torcedores compraram ingressos para assistir à partida. Com a vitória, o Corinthians chegou a 52 pontos e fechou a competição em décimo lugar - pode ser alcançado pelo Santos, mas ainda assim teria uma vitória a mais. Já o Galo, que sofreu sua quinta derrota seguida, caiu da sexta para a sétima posição, sendo superado pelo Avaí (57 a 56 pontos), que venceu o Náutico por 1 a 0 neste sábado. E pode cair ainda mais, caso Grêmio e Goiás vençam Flamengo e Vitória, respectivamente. Etapa inicial marcada por protestos da torcida atleticana Incessante desde a noite anterior e também durante o jogo, a chuva venceu o duelo contra o bom sistema de drenagem do gramado do Mineirão. Pesado e com pelo menos três pontos de poça d?água, o campo estava em situação desfavorável para as jogadas de toque e condução de bola. Mas houve equilíbrio apenas nos 15 minutos iniciais. O Atlético-MG teve uma boa chance aos 11, com Coelho cobrando uma falta com perigo. Um minutos depois, o Corinthians respondeu com uma bola na trave, chutada por Defederico. Soou como um aviso. Aos 17, da entrada da área, Souza acertou um belo chute, mandando a bola no ângulo esquerdo de Carini: Timão 1 a 0. Pelo quinto jogo seguido o Galo saiu em desvantagem no placar - foi assim também contra Flamengo, Coritiba, Internacional e Palmeiras. No prejuízo, o time mineiro foi ao ataque do jeito que deu, tentando superar a marcação corintiana, o gramado alagado e as próprias limitações da equipe, que não conseguia chegar com qualidade à frente. Éder Luís foi o primeiro a sofrer com as vaias da torcida, que se mostrou impaciente com os cruzamentos errados do atacante. Ele também insistia em conduzir a bola no gramado encharcado, uma opção equivocada. Do outro lado, o Corinthians não tinha problemas para neutralizar as tentativas atleticanas, que, invariavelmente, limitavam-se aos cruzamentos ineficientes de Coelho ou de qualquer outro jogador. Aos 41, o Timão chegou com força ao ataque e se deu bem. Em uma disputa gringa, o argentino Defederico foi derrubado na área pelo zagueiro paraguaio Benítez. Pênalti bem marcado pelo árbitro Wagner Tardelli, que fazia a sua despedida do futebol. Souza cobrou bem, no canto direito, e ampliou para 2 a 0. Foi a senha para a torcida do Galo expressar sua revolta: ?Vergonha, vergonha, vergonha, time sem vergonha?. Nem Alexandre Kalil escapou. Uma faixa mostrada por torcedores dizia: ?Presidente bocudo, você fala demais?. A ira virou esperança aos 43, quando Diego Tardelli foi derrubado na área, e Tardelli mais uma vez acertou. Com a oportunidade de diminuir o placar, chegar a 20 gols no campeonato e superar Adriano, do Flamengo, na briga pela artilharia, o atacante do Galo fez a paradinha e teve a cobrança defendida pelo goleiro Julio César. A torcida atleticana voltou a se revoltar, e a chuva, que já era forte. engrossou ainda mais. Assim, debaixo de muita água e vaias, os atleticanos deixaram o gramado perdendo por 2 a 0. Furos para diminuir as poças no campo... Apenas isso de diferente No intervalo, funcionários do Mineirão entraram no campo e fizeram furos no gramado para reduzir as poças maiores, amenizando o problema. Para o Galo, adiantou ao menos no início. A equipe voltou com duas modificações - Sheslon e Alessandro na vaga de Coelho e Éder Luís, respectivamente - e, à exceção de um lance aos quatro minutos, no qual Carini teve de sair fora da área e dar um carrinho para tirar a bola de Defederico, foram 15 minutos de predomínio atleticano no ataque. A maioria das jogadas passou pelos pés de Evandro ou teve sua conclusão. Sem êxito, na verdade. Aos 15, após cruzamento de Diego Tardelli, ele teve tudo para fazer o gol, mas o voleio foi para fora. O erro o fez virar o novo alvo da torcida. Aos 22, ele saiu vaiado, substituído por Renan Oliveira. O jogo ficou equilibrado, mas também mais lento, com os times sentindo o gramado pesado do Mineirão. Aos 40, Diego Tardelli e Elias se desentenderam, mas fizeram as pazes em seguida. Aos 44, Bill, que entrara na vaga de Souza, fez 3 a 0 e fechou o triunfo corintiano. Após o fim do jogo, para não variar, mais vaias da torcida do Galo no Mineirão.

veja também