MENU

Sob vaias, Brasil é derrotado pela Bulgária e tem caminho mais fácil até a final do Mundial

Sob vaias, Brasil é derrotado pela Bulgária e tem caminho mais fácil até a final do Mundial

Atualizado: Domingo, 3 Outubro de 2010 as 10:51

De um lado, um oposto improvisado como levantador. Do outro, apenas um titular em quadra. Ataques sem direção, recepções ruins, vibração zero e defesas inexistentes. Este foi o panorama do duelo entre Brasil e Bulgária, válido pela última rodada da segunda fase do Mundial de vôlei. No fim, os brasileiros foram mais eficientes na arte de perder e acabaram derrotados por 3 sets a 0, parciais de 25/18, 25/20 e 25/20.

A falta de esforço de ambas as equipes tem uma explicação: o mal formulado regulamento da competição. Sob a suspeita de ter sido feito para favorecer a dona da casa Itália, ele provocou uma situação inusitada, na qual perder neste sábado era melhor do que ganhar.

Derrotado em quadra, o Brasil agora vai direito a Roma, onde permanecerá se chegar à semifinal e à final. Para isso, terá que enfrentar em uma chave de três na qual só se classifica um, República Tcheca e Alemanha, times apenas medianos no cenário internacional.

Os búlgaros, por sua vez, terão que se deslocar até Florença, a cerca de 300km da capital italiana, para jogar a terceira fase. Lá, terão como adversários na solitária vaga a fortíssima seleção de Cuba e a Espanha.

Alvo de reclamações por parte de diversos times, o regulamento já tinha sido criticado pelos brasileiros antes mesmo do embarque para a Europa. Todos então, resolveram jogar com ele debaixo do braço: sob vaias e protestos dos torcedores, Brasil e Bulgária protagonizaram um duelo repleto de erros. E Bernardinho, ao contrário do que aconteceria em uma partida normal, não deu nenhuma bronca.

Bruno poupado por gripe

Os indícios de que ninguém se esforçaria começaram antes mesmo da partida, apesar das: com gripe, o levantador Bruno foi poupado. Como o reserva Marlon ainda se recupera de uma colite, o oposto reserva Theo foi improvisado. Os titulares Lucão e Murilo, que tiveram problemas físicos nos últimos dias, também ficaram no banco.

Do lado búlgaro, a resposta veio poupando todo o seu time base, exceto o central Nikolay Nikolov. Primeiro a sacar, Theo mandou a bola na rede. Em um ritmo que não seria adequado nem para treino, as duas equipes faziam uma partida lenta. O Brasil, porém, entregava mais: somente na primeira etapa, sofreu cinco aces.

Na segunda etapa, a equipe verde-amarelo melhorou um pouco e conseguiu manter o placar equilibrado. Mas no fim da etapa os erros voltaram a aparecer em demasia e a Bulgária venceu novamente. No terceiro set, alguns bons lances por parte da seleção de Bernardinho, mas nada suficiente para se conquistar a vitória.

Brasil e Itália podem se enfrentar na semifinal

A rivalidade entre Brasil e Itália vai além do regulamento: após treinar com o Brasil para suprir a ausência de Marlon, doente, o levantador Maurizio Latelli foi taxado de "traidor", Cogitou-se, inclusive, uma punição para o atleta, que nunca foi chamado para a seleção de seu país. Os torcedores, por sua vez, não escondem a torcida contrária ao time do técnico Bernardinho.

Curiosamente, porém, as duas equipes podem se enfrentar na semifinal. Para isto, basta os brasileiros passarem por tchecos e alemães, ao passo que os italianos precisam superar Argentina e Estados Unidos.

Os norte-americanos, aliás, também são acusados de terem perdido propositalmente para a República Tcheca, a fim de se beneficiarem na fase seguinte. O mesmo aconteceu com a Rússia, que sofreu uma estanha derrota para a Espanha, de virada, e escapou de Cuba.

veja também