MENU

Sumô ajuda na integração social em comunidades carentes de Londrina

Sumô ajuda na integração social em comunidades carentes de Londrina

Atualizado: Quinta-feira, 27 Janeiro de 2011 as 8:44

No Japão, o sumô é um esporte muito tradicional e admirado. Os atletas são idolatrados, e as lutas transmitidas ao vivo pela televisão, com ginásios lotados. Quando pensamos na modalidade, imaginamos lutadores gordos de olhos puxados. No entanto, no Brasil a realidade é um pouco diferente. Em Londrina, no Paraná, uma academia de sumô está ajudando na integração social de crianças e jovens.

  Se do outro lado do mundo só os homens podem praticar a luta, no Brasil as mulheres também têm a chance de mostrar seu valor. E aquela história de que é um esporte só para gordinhos? Nada disso, na academia do seu Cassiano pode entrar magrinho, é só ter disposição para vencer. Mas também é verdade que muitas pessoas procuram a escola do "paizão", como é chamado seu Cassiano, porque se sentem excluidos em academias tradicionais por conta da obesidade.

- Eu decidi vir para o sumô para ter uma vida menos sedentária e aumentar também meu círculo de amizade. Aqui eu me sinto mais à vontade para praticar o esporte - disse Cleber Henrique, assistente administrativo.

Sumô nas comunidades carentes de Londrina

Além de ajudar no relacionamento interpessoal, o sumô foi além. A escola conta com um projeto chamado "Lutando para ensinar", que atende comunidades carentes de Londrina. E a iniciativa já está dando bons frutos, como o Rudnei, que coleciona muitas medalhas e troféus em uma humilde casa.

O filho do seu Cassiano, o Cassinho, chega na comunidade e distribui o Mawashi. Uma vestimenta diferente e "enrolada" de colocar. Mawashi é aquela espécie de fralda que os lutadores de sumô colocam para o combate. As crianças vão se aglomerando em volta dele e começa a aula. Pequenos, grandes, meninos, meninas, magros e gordos. Todo mundo pode participar.

Atualmente, a escola atende 120 jovens com o projeto, não tem patrocínio e ganha apenas R$ 5 mil por ano da prefeitura local.  

veja também