MENU

Timão vence Verdão e vai à final do Paulista

Timão vence Verdão e vai à final do Paulista

Atualizado: Domingo, 1 Maio de 2011 as 6:46

Por Leandro Canônico e Marcelo Prado São Paulo

  Deu Corinthians! Mas foi sofrido, como a Fiel afirma gostar. Depois de um empate por 1 a 1, recheado de polêmicas, lesões, provocações e expulsões, o Timão bateu o Palmeiras nos pênaltis por 6 a 5, neste domingo, no Pacaembu, e avançou à final do Campeonato Paulista ( assista ao vídeo com a disputa de pênaltis ). O adversário será o Santos, que eliminou o São Paulo. Maioria no estádio, a torcida alviverde reconheceu a garra da equipe e aplaudiu depois da eliminação.

A primeira partida será no próximo domingo, dia 8 de maio, no estádio do Pacaembu. E o jogo de volta no dia 15, na Vila Belmiro, na Baixada Santista.

O Corinthians teve um jogador a mais desde os 24 minutos de jogo, quando Danilo foi expulso por carrinho em Liedson. Mas o jogo foi nervoso, tenso, e o Timão não conseguiu se impor. Saiu perdendo, com gol de Leandro Amaro, mas empatou com o talismã Willian e saiu a salvo da “guerra” da arbitragem.

A polêmica com relação à arbitragem do clássico surgiu no início da semana, quando o “Jornal da Tarde” publicou matéria dizendo que Paulo Cesar de Oliveira havia sido indicado pelo Timão, com o aval do Verdão. A matéria, aliás, cravava o árbitro como o escolhido para apitar o dérbi, antes mesmo do sorteio.

Embora a direção do Palmeiras tenha reclamado e pedido a retirada de Paulo Cesar de Oliveira da lista dos oito árbitros presentes no sorteio, a Federação Paulista o manteve e viu o nome do juiz ser confirmado após cerimônia com transmissão ao vivo e testemunhas. A chance de Paulo Cesar era de 12%.

O Verdão seguiu reclamando, colocando a arbitragem sob suspeita. Fato que irritou o presidente do Corinthians, Andrés Sanches. No sábado, ele convocou uma coletiva no CT Joaquim Grava e afirmou que as reclamações do rival alviverde já faziam parte de uma tática para justificar uma eventual eliminação.

Na realidade, o que isso tudo provocou foi um jogo tenso, à flor da pele.

Tensão!

Kleber reclama de falta: jogo nervoso desde os primeiros minutos (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)   Poucos lances e muita confusão. Nervoso, o Palmeiras entrou em campo “pilhado”, como se diz popularmente. Parecia estar na mesma vibração da torcida, que, irritada com as polêmicas em relação à arbitragem durante a semana, pressionou Paulo Cesar de Oliveira desde a primeira falta marcada em favor do Corinthians.

Dentro desse ambiente tenso, Valdivia esquentou ainda mais o clima ao provocar Chicão, ameaçando jogar a bola na cara do zagueiro alvinegro, aos dois minutos. Logo depois, no lance seguinte, Kleber, um dos palmeirenses mais exaltados em campo, foi advertido com o cartão amarelo por falta em Leandro Castán.

Em um raro momento de futebol, o Verdão fez o Timão recuar e arriscou com alguns chutes de fora da área. Primeiro com Marcos Assunção, depois com Valdivia. E foi de um chute do Mago que o goleiro Julio Cesar rebateu que quase saiu o primeiro gol do jogo. Mas Luan e Rivaldo não conseguiram aproveitar o rebote.

O Corinthians, então, tentou explorar a velocidade do trio ofensivo formado por Jorge Henrique, Dentinho e Liedson. Não conseguiu. E com pouco futebol, sobrou espaço para confusão (e lesões). A partida, aliás, começou a pegar fogo depois que Valdivia deu seu chute no vácuo e sentiu a perna de apoio, no caso a esquerda ( assista ao vídeo ao lado ).

Isso foi aos 20 minutos. E logo na sequência, o chileno pediu para sair. Mas antes mesmo de ele ser substituído, mais confusão. O zagueiro Danilo deu um carrinho frontal em Liedson e levou cartão vermelho. O corintiano também entrou forte no lance, mas não foi advertido por Paulo Cesar de Oliveira.

Era para Lincoln entrar no lugar de Valdivia, mas Felipão teve de recompor a zaga. Escalou, então, Leandro Amaro, aos 26. Dois minutos depois, porém, o técnico alviverde foi expulso por conta de uma reclamação, seguida de uma discussão acalorada com Tite: “É sempre assim, você fala demais, fala demais”, dizia Tite.

Felipão é expulso

(Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)   Inconformado com a expulsão, Felipão fez jogo duro. Só deixou o banco de reservas depois que Policia Militar chegou. Acompanhado de quatro oficiais, o técnico ainda deu canseira e ficou na boca do túnel. Somente depois de uns dez minutos é que desceu para acompanhar o jogo na sala de imprensa do estádio.

- É ridículo. Só isso – esbravejou o palmeirense Kleber, na saída para o intervalo.

Sem espaço para o futebol, Palmeiras e Corinthians fizeram um primeiro tempo pouco produtivo, mas bastante aguerrido. Tanto que aos 38 minutos, o Verdão perdeu mais um jogador por lesão. Foi Cicinho, que sentiu a coxa direita e deixou o campo para a entrada de João Vitor. Restava apenas uma alteração ao Alviverde.

Jogão!

Os 15 minutos de intervalo serviram para acalmar os ânimos das duas equipes, em especial do Palmeiras. Com outra postura, o Verdão foi para cima do Timão e por muito pouco não abriu o marcador aos seis minutos. Marcos Assunção bateu falta com perfeição e obrigou Julio Cesar a se esticar todo para defender.

E foi do escanteio provocado por essa espalmada do corintiano que saiu o gol do Palmeiras, que sufocou o rival nos minutos iniciais do segundo tempo. Aos sete minutos, Marcos Assunção cobrou fechado e Leandro Amaro, zagueiro que entrou na vaga do machucado Valdivia, desviou de cabeça na primeira trave ( assista ao vídeo do gol ).

O gol inflamou a torcida alviverde nas arquibancadas do Pacaembu. A cada lance, a cada desarme, a cada chute a vibração era enorme. Ao Corinthians, então, restou tentar uma reação. E para melhorar a ligação do meio de campo com o ataque, Tite sacou Alessandro e mandou a campo o peruano Luis Ramírez.

Logo na sequência, Tite sacou Dentinho e escalou Willian. Mas o Palmeiras estava vibrante. Mesmo com um jogador a menos, a equipe de Felipão não dava espaços para o rival alvinegro. O jeito foi tentar arriscar de fora da área. Mas o atacante Willian não deu sorte. Aos 17 minutos, ele escorregou e pegou mal na bola.

Rapidamente, porém, ele se redimiu. E com o gol de empate. Aos 19 minutos, após cobrança de escanteio de Jorge Henrique, Willian desviou de cabeça. A zaga chegou a tirar a bola, mas o auxiliar levantou a bandeira, correu para o meio e confirmou o gol: 1 a 1 ( assista ao vídeo ao lado ). Os palmeirenses, no entanto, reclamaram.

Com o empate do Corinthians, o jogo ficou mais aberto. E o Palmeiras voltou a arriscar alguns chutes. Luan assustou aos 25, Kleber aos 27... Mas a melhor chance mesmo saiu dos pés de Marcos Assunção. O volante cobrou falta aos 38 minutos e Julio Cesar viu a bola raspar o seu travessão.

O Timão ainda fez uma pressão no final, mas a decisão foi mesmo para os pênaltis. E deu Corinthians, por 6 a 5. Os gols alvinegros foram marcados por Chicão, Willian, Fábio Santos, Leandro Castán, Morais e Ramírez. Pelo Palmeiras, Kleber, Marcos Assunção, Márcio Araújo, Luan e Thiago Heleno marcaram. Mas João Vitor desperdiçou sua cobrança.  

veja também