MENU

Trio carioca se preocupa com campo do Engenhão, mas Bota o garante

Trio carioca se preocupa com campo do Engenhão, mas Bota o garante

Atualizado: Sexta-feira, 5 Novembro de 2010 as 1:54

Nesta reta final de Campeonato Brasileiro, o Engenhão já tem recebido mais partidas do que o normal, devido ao fechamento do Maracanã para obras para a próxima Copa do Mundo. Em 2011, porém, a sequência promete ser ainda mais pesada, com o primeiro Estadual inteiro sem o Maior do Mundo desde 1950. Por essa razão, já há preocupação com problemas no gramado.

Além de Volta Redonda, com o moderno Raulino de Oliveira, o estádio do Macaé, o Moacyrzão, foi reformado e pode receber 20 mil torcedores. O Fluminense já fala abertamente que o considera uma boa opção para destacar alguns jogos, aliviando o Engenhão. Apesar do contrato com o Alvinegro, que prevê um número alto de partidas no local, o Fla também já sinalizou com a atitude.

Durante a reunião do Conselho Arbitral do Campeonato Carioca, na última quinta-feira, houve dúvidas em relação à utilização dos camarotes, e outros assuntos ainda serão discutidos nas próximas semanas, para aparar as arestas. Haverá rodadas em que três confrontos serão disputados sobre o gramado do estádio do Botafogo.

- Estamos nos cercando de cuidados e todos já viram que o campo melhorou muito durante o ano. A tendência é que ele receba manutenção no período que ficar parado, a empresa está de olho e dará continuidade em seus projetos. Temos confiança de que estará muito bom em 2011. Ainda há mais de 60 dias para o Estadual - defendeu Antonio Carlos Mantuano, vice geral do clube.

Vasco apenas pondera

Também envolvido na questão, embora tenha seu estádio próprio, o Vasco reafirmou que não pretende solicitar seus clássicos para São Januário.

- Pela dificuldade de acessibilidade, não comporta. Não vejo a desconsideração da possibilidade como uma derrota. Receber duas torcidas para um jogo grande lá, sem criar uma confusão, não é fácil - ponderou José Hamilton Mandarino, vice de futebol do clube cruzmaltino.

Por: André Casado

veja também