MENU

UFC Rio ajuda Minotauro a vencer drama e será ponto alto em seu filme

UFC Rio ajuda Minotauro a vencer drama e será ponto alto em seu filme

Atualizado: Segunda-feira, 22 Agosto de 2011 as 2:13

Antônio Rodrigo Nogueira ainda não sabe como será o filme que passará em sua cabeça quando entrar na Arena da Barra no próximo sábado, para enfrentar Brendan Schaub pelo UFC Rio. Provavelmente, será o mesmo filme que seus fãs verão em 2012, para quando está previsto o lançamento do documentário sobre sua trajetória, de Vitória da Conquista até a fama internacional como um dos maiores ídolos do MMA. O que se pode garantir é que o longa-metragem sobre o homem conhecido como "Minotauro" não terminará em sua primeira luta no país de origem, especialmente após uma árdua recuperação de lesões que o mantiveram 18 meses longe de seu habitat natural: o octógono.

Rodrigo Minotauro sorridente em uma das cenas de seu documentário (Foto: Reprodução)

  Foram três cirurgias desde a derrota para o atual campeão dos pesos pesados, Cain Velasquez, em fevereiro de 2010. Primeiro, Minotauro cuidou dos joelhos, que o tiraram da revanche contra Frank Mir no UFC 119, mas em dezembro, veio o momento mais tenebroso de sua carreira. O lutador passou por artroscopia no quadril direito, técnica muito recente e de difícil recuperação, e virou o ano novo com muitas dores, que lhe assustaram o suficiente que ele não conseguia mais assistir às lutas na TV. Foi neste cenário que o baiano chegou ao consultório da Dra. Ângela Côrtes, fisioterapeuta indicada pelo cirurgião responsável, Marc Philippon, em meados de janeiro. Quatro semanas depois da cirurgia, Nogueira não apoiava o pé direito no chão, estava com a postura toda errada e, admite, julgava impossível fazer sua 41ª luta de MMA no UFC Rio, apenas sete meses depois.

'Nova família' no Brasil

Côrtes, entretanto, sentiu a importância que fazer sua primeira luta em território nacional após 12 anos de carreira tinha para Minotauro, e ergueu o evento carioca como objetivo principal do trabalho de fisioterapia, como forma de motivá-lo. A estratégia deu certo: através de sessões intensivas, somadas a uma estrutura de alto nível cedida por um cliente de Côrtes que acabou se tornando seu amigo, o lutador abandonou as muletas após seis semanas da cirurgia e ganhou confiança para operar o outro quadril, em fevereiro deste ano. Desta vez, a recuperação foi mais curta: na terceira semana, já estava andando sem auxílio. Em maio, sem pestanejar, a fisioterapeuta deu seu aval para a luta do brasileiro.

- Ela disse que ia melhorar quando eu traçasse um objetivo. (Ângela) achou que eu estava desmotivado, então me perguntou o que eu mais queria naquele momento, e eu respondi que era participar do UFC Rio. Ela disse, "É isso o que você quer? Então vamos!" - conta Minotauro.

Segundo Côrtes, o segredo da recuperação foi o laço de amizade e confiança desenvolvido entre sua equipe e o lutador. Hoje, a fisioterapeuta acompanha Nogueira em praticamente todas as suas atividades e trabalha na prevenção de novas lesões e na correção de vícios de postura desenvolvidos através dos anos. Minotauro diz que vai lutar 100% pela primeira vez em sua passagem pelo UFC.

- Houve uma integração e confiança. Eu não apostei que ele voltaria, eu acreditei de verdade. E ele, que viveu muito tempo nos Estados Unidos, voltou pra cá e encontrou uma nova família - explica Côrtes.

Filme motivado por idolatria de Vin Diesel

O lutador Anderson Silva participa do filme de

Rodrigo Minotauro(Reprodução)

  No meio do seu hiato de lutas, Minotauro conheceu os diretores Fernando Serzedelo e Paulo Gandra, durante as filmagens do longa "Velozes e Furiosos 5: Operação Rio". O lutador foi levado ao set para conhecer Vin Diesel, protagonista do filme e fanático por MMA. O ator se deslumbrou com o encontro, e o respeito com que os estrangeiros tratavam e falavam de Nogueira chamaram a atenção de Serzedelo, que começou a pesquisar sobre o lutador e montar uma sinopse. Logo, com o projeto ainda inacabado, o diretor já estava acompanhando e gravando eventos dos quais o ex-campeão participava, como a inauguração de uma academia em San Diego e a luta de seu irmão, Rogério Minotouro, no UFC Fight Night, em Seattle, no qual ele e Anderson Silva ficaram no córner. A produção ainda vai levá-lo a lugares como Vitória da Conquista (cidade-natal do lutador), Manaus (onde vai promover evento de lutas), Las Vegas (base de operações do UFC) e Japão (onde Minotauro é ídolo e vai apresentar um campeonato de sumô).

A cada parada, Serzedelo descobre um pouco mais da idolatria estrangeira por Minotauro, que ainda é muito maior do que no Brasil. No Japão, o atleta chegou a atuar em novelas locais e ser herói de histórias em quadrinhos, o que inspirou uma passagem de animação no filme, no estilo "anime" japonês, para contar sua infância. Nos EUA, as imensas filas formadas para vê-lo em San Diego mostraram aos diretores que o filme tinha mercado internacional.

- Ele é muito cativante, tem muito carisma. Lá nos EUA, desde os organizadores até os adversários, todos gostam dele. É um catalisador de gente. Isso que nos fez se envolver no projeto, sua personalidade. Dana White enche a bola do Anderson, mas o Anderson diz que deve tudo ao Rodrigo. Ele é referência para todos os lutadores brasileiros. No filme, vamos ter algumas personalidades falando sobre ele, talvez tenhamos o Vin Diesel também - conta Serzedelo.

O documentário incluirá ainda imagens de arquivo das principais lutas de Minotauro no Pride e UFC, comentadas pelo próprio lutador, por seu irmão e por Anderson Silva. No meio do projeto, surgiu a luta no UFC Rio, e o foco das filmagens passou a ser a preparação para o combate histórico, primeiro de sua carreira no país de origem. Apesar do retorno à casa após anos lutando nos "quintais dos adversários" ser um dos pontos altos da produção, tanto Serzedelo quanto Nogueira garantem que não será o desfecho. As filmagens devem continuar até o primeiro semestre de 2012, e o lançamento está previsto para o segundo semestre.

Minotauro na gravação de seu filme durante um de seus treinamentos  (Foto: Reprodução)

  - Claro que uma vitória seria muito especial por vários motivos, principalmente por se tratar da minha primeira luta no Brasil e com o público todo do meu lado, mas eu não a considero um final. Independentemente do resultado desta luta, eu pretendo continuar nos octógonos e continuar o meu filme - afirma Minotauro, que diz que a produção é a realização de um sonho: - A sensação é maravilhosa. Eu me emocionei várias vezes; afinal, é mais de uma década de histórias. É sempre emocionante recordar.

Rodrigo Minotauro enfrenta Brendan Schaub pelo card principal do UFC Rio, ou UFC 134, no próximo sábado, na Arena da Barra. O canal Combate transmite todas as lutas ao vivo, a partir de 18h (horário de Brasília).          

veja também