MENU

Vasco não dá chance ao Bahia, volta à liderança e 'faz chover'

Vasco não dá chance ao Bahia, volta à liderança e 'faz chover'

Atualizado: Segunda-feira, 24 Outubro de 2011 as 8:39

Diante de muito calor e um estádio cheio, o cenário parecia complicado para o Vasco retomar a liderança do Campeonato Brasileiro. Mas com Diego Souza inspirado e eficiência no sistema defensivo, o time carioca não deu chances ao Bahia. Felipe abriu o placar no primeiro tempo, e o camisa 10 fechou a conta em Pituaçu: um 2 a 0, que, com o empate do Corinthians com o Internacional em 1 a 1, levou a torcida cruz-maltina à loucura em Salvador, mesmo debaixo de chuva - são 57 pontos contra 55 dos paulistas.

Na próxima rodada, o Vasco pega o São Paulo domingo, às 16h, em São Januário. O Bahia enfrenta o Figueirense fora de casa, no mesmo horário. O time de Joel está em 14º lugar, com 36 pontos.

Vasco leva susto no início, mas toma conta do jogo

O duelo começou a mil por hora. Ignorando o calor intenso - que compensou a semana chuvosa em Salvador -, os jogadores pareciam competir quem corria mais e se revezavam em carrinhos, bons lançamentos, chutes perigosos e até pequenos desentendimentos.

Empurrado pela torcida, que esteve perto de lotar o estádio de Pituaçu, o Bahia explorava o lado direito da defesa vascaína. A partir dali, saíram os dois lances mais importantes do time, em tentativas de Dodô e Fabinho - que acertou o travessão.

Também em peso (a ponto de se expandirem para o setor do mandante), os cruz-maltinos não deixaram por menos e viram Diego Souza em tarde inspirada, sobretudo quando Felipe ou Eder Luis tabelavam com ele. Assim, ninguém sentiu a ausência da boa fase de Elton, que foi vetado horas antes da partida por conta de uma forte gripe.

O camisa 10 encarou uma disputa particular com Marcelo Lomba. O arqueiro tricolor foi vencido por Diego aos 16 minutos, em gol mal anulado pela arbitragem. O jogador estava 24 centímetros atrás da zaga ao receber o passe e girar. Portanto, em posição legal.

Pouco a pouco, o ritmo foi diminuindo, e já dava para o público respirar. A defesa do Bahia, porém, exagerou no cochilo e só assistiu a Felipe tocar para Diego Souza e receber livre para anotar um golaço de canhota, aos 22. Detalhe é que o Maestro começou improvisado na lateral-esquerda, mas não se acomodou e criou a pintura no lado oposto campo.

Com a vantagem, o esquema com quatro volantes (que ainda teve a troca de Eduardo Costa, lesionado, por Nilton) desenhado por Cristóvão Borges passou a dar mais certo do que nunca. Sem se retrair, mas com uma marcação para lá de eficiente, o Vasco evitava que a bola chegasse em boas condições a Reinaldo e Souza, que sempre tinha Dedé em sua cola. Solto, o time carioca teve até momentos de alta inspiração, lembrando o motivo de ter reassumido a liderança do Brasileirão.

No finzinho da primeira etapa, Eder Luis ainda teve tempo para desperdiçar uma chance para ampliar o placar. Lá estava Lomba para salvar o Esquadrão. Impaciente, os torcedores já pediam a entrada de Lulinha no time, para dar mais movimentação.

Joel muda, mas Bahia ataca pouco

O clima quente se tornou morno na volta do intervalo. Cozinhando a partida, o Vasco fincou sua estratégia nos contra-ataques e incomodou o Bahia que, mal organizado, não sabia como escapar do povoado meio de campo adversário. O técnico Joel Santana demorou a mexer, mas deu novo gás com a entrada do xodó Lulinha. O atacante Júnior também teve sua oportunidade, pegou bem mais na bola e, na marra, foi mais efetivo que Reinaldo, substituído.

Do outro lado, Felipe sentiu dores e deu lugar a Bernardo. A partida viu o número de faltas crescer muito, e o tom do segundo tempo foi de pouca bola rolando. Para ajudar ainda mais, o placar eletrônico de Pituaçu anunciou o gol do Inter sobre o Corinthians, que causou um efeito positivo por alguns minutos nos cariocas, na base de bons arremates de longe.

Nos dez minutos finais, o Bahia ensaiou uma pressão, mas esbarrava na falta de qualidade para acertar o toque final e a conclusão. Até que, depois de uma bola isolada da defesa, Diego Souza aproveitou toque de cabeça e entrou livre para selar o triunfo do Gigante da Colina, que escalou mais uma degrau na caça ao pentacampeonato da competição. Logo depois, um temporal desabou sobre a cidade, inundou de alegria a comemoração vascaína e marcou os lamentos baianos.            

Vídeo: Youtube

veja também