MENU

Viradas, expulsões e polêmicas: Botafogo bate o Fluminense por 3 a 2

Viradas, expulsões e polêmicas: Botafogo bate o Fluminense por 3 a 2

Atualizado: Domingo, 6 Fevereiro de 2011 as 10:23

Um clássico, na acepção da palavra. Fluminense e Botafogo fizeram neste domingo uma partida para ficar durante muito tempo na memória dos torcedores. O Alvinegro venceu por 3 a 2 o Tricolor, no Engenhão, pela sexta rodada da Taça Guanabara, em um jogo marcado por duas viradas de placar, bolas na trave, decisões polêmicas da arbitragem e até uma cavadinha frustrada de Loco Abreu.

Com o resultado, o Botafogo chegou à liderança do Grupo B, com 16 pontos e em boa condição para evitar um duelo antecipado com o Flamengo na semifinal da Taça Guanabara, podendo enfrentar Nova Iguaçu ou Resende. Já o Tricolor, que soma 15 pontos, precisa vencer seu próximo compromisso e torcer por um tropeço do Alvinegro na última rodada para reconquistar a primeira colocação da chave.

O Fluminense volta ao Engenhão na próxima quarta-feira para enfrentar o Argentinos Juniors, em sua estreia na Libertadores-2011. Em seguida, enfrenta o Madureira, domingo, mesmo dia em que o Botafogo recebe o Macaé, pela rodada final da fase de classificação da Taça Guanabara.

A partida começou com as duas equipes investindo muito na marcação individual. No Botafogo, Loco Abreu e Herrera eram acompanhados de perto, enquanto os tricolores Conca, Fred e Rafael Moura eram perseguidos por seus adversários. Sem articulação dos dois lados, o jogo poderia ser decidido nas jogadas de bola parada. E apenas aos 23 minutos o primeiro lance de real perigo aconteceu.

Foi um jogador menos badalado o primeiro a brilhar na noite. Renato Cajá cobrou falta pelo lado esquerdo e acertou o ângulo direito de Diego Cavalieri, abrindo o placar para o Botafogo. Logo em seguida, o camisa 10 alvinegro, em uma noite muito inspirada, acertou uma outra bomba, mas que explodiu no travessão do goleiro tricolor. A partir deste momento, o jogo ganhou uma outra cara, com as duas equipes buscando mais o ataque, embora o nível técnico não fosse dos melhores.

Aos 30 minutos, o Fluminense chegou ao empate levando vantagem sobre aquela que é uma das virtudes do Botafogo: a bola aérea. Após cobrança de escanteio, o estreante Rafael Moura apareceu no primeiro pau para escorar de cabeça e fazer 1 a 1. O Tricolor retomou as ações ofensivas e foi em busca da virada.

Mas na ânsia de chegar à frente no placar, o Fluminense deu espaços em sua defesa e viu sua situação complicar aos 41 minutos, quando Valencia recebeu o segundo cartão amarelo ao cometer falta em Herrera. O lance gerou uma confusão entre os dois artilheiros do Campeonato Carioca. Revoltado com a reclamação de Loco Abreu, que pressionou o árbitro Gutemberg de Paula Fonseca para que expulsasse o volante tricolor, Fred foi tirar satisfações com o uruguaio.

Apesar de o Botafogo ter a vantagem no número de jogadores, foi o Fluminense quem ficou à frente no placar, aos 44 minutos, em nova falha de marcação do Alvinegro dentro da área. Souza cobrou falta na área, e Fred deu um leve desvio. Jefferson espalmou no reflexo, e Rafael Moura completou, marcando pela segunda vez no clássico. Tudo isso logo depois de Renato Cajá acertar outra bola no travessão de Diego Cavalieri, dando a impressão para muitos que ela teria quicado dentro do gol (no vídeo acima).

Quando ainda buscava se reorganizar para alcançar o empate, o Botafogo viu seu capitão ser expulso de campo. Marcelo Mattos recebeu o vermelho de forma direta aos 46, após falta dura em Conca. O primeiro tempo terminou com todos os jogadores com os nervos à flor da pele, numa troca de reclamações.

Mas estava enganado quem achou que o estoque de emoção havia se esgotado no primeiro tempo. Logo no início da segunda etapa, o Botafogo teve uma grande oportunidade de empatar a partida quando o árbitro marcou pênalti de Rafael Moura em Márcio Azevedo. Loco Abreu foi para a cobrança usando a sua marca registrada: a cavadinha. Mas Diego Cavalieri ficou parado no meio do gol e fez a defesa como se fosse um recuo de bola (no vídeo ao lado).

Este lance representou um raro momento em clássicos, pois todo o Engenhão gritou o nome de Loco Abreu. Os tricolores, de maneira irônica, e os alvinegros, como uma forma de apoiar o ídolo. Mas a angústia do camisa 13 durou pouco tempo, pois logo em seguida houve um novo pênalti a favor do Botafogo, desta vez de Edinho em Bruno. Lance que gerou muita reclamação dos tricolores. Herrera chegou a pegar a bola para fazer a cobrança, mas Abreu convenceu o companheiro de ataque e bateu. Ele novamente usou a categoria, mas desta vez deslocou o goleiro tricolor, mandando a bola para o lado direito: 2 a 2 aos 11 minutos.

Para tentar recuperar a vantagem, o Fluminense foi para cima, mas cometeu um erro que acabou por ser fatal. Numa bola perdida em seu campo ofensivo, o Tricolor deu espaço para que o Botafogo puxasse um contra-ataque. Renato Cajá, talvez na melhor atuação com a camisa do Bota, avançou pelo meio e fez um lançamento milimétrico para Herrera, que apareceu no meio da zaga adversária e chutou para virar o placar para o Alvinegro aos 18 minutos. Diego Cavalieri ainda tocou na bola, mas não conseguiu evitar que a bola balançasse a rede.

Com a vantagem nas mãos, o Botafogo se fechou e passou a apostar nos contra-ataques. A eequipe de Joel Santana foi muito pressionada, mas teve no goleiro Jefferson, com pelo menos três grandes defesas, a garantia da vitória. Um dos personagens do clássico, o árbitro Gutemberg de Paula Fonseca encerrou a partida um minuto e meio antes dos 48 prometidos.

veja também