MENU

'Zerado' de problema no púbis, Nélio busca recomeço no Corinthians-AL

'Zerado' de problema no púbis, Nélio busca recomeço no Corinthians-AL

Atualizado: Quarta-feira, 9 Março de 2011 as 2:39

"Se estivesse com 32 anos, não recomeçaria". O meia Nélio, revelado pelo Flamengo em meados da década passada, já passou por poucas e boas na carreira. Problemas com o clube rubro-negro logo quando surgiu, muitas lesões e a alta rotatividade tornaram difícil a decolagem na profissão. Mas a ideia de aposentadoria antecipada, como ele revelou na frase inicial desta matéria, já ficou para trás. Ele deu a si mesmo uma nova oportunidade e agora tenta mais uma vez deslanchar, ajudando o Corinthians-AL a liderar o Campeonato Alagoano.     Boa parte da torcida do Flamengo se lembra de um garoto que surgiu no clube com destaque, sendo convocado diversas vezes para seleções da base. Louro e franzino, recebeu comparações com Zico. Com apenas 17 anos, foi puxado para o time profissional. Não recebeu muitas oportunidades do então técnico Evaristo de Macedo e, vislumbrado por diversas propostas, principalmente o Vasco, entrou na Justiça para ser liberado Fla. Ali começaram os problemas.

Na época, o Flamengo ameaçou ir atrás das revelações do Vasco como retaliação. O clube de São Januário, então, desistiu de Nélio, e o jovem aceitou renovar com o Fla se fosse emprestado para o Atlético-PR. Lá, também não ganhou oportunidades e ainda se machucou seriamente no tornozelo.

- Eu era muito moleque. Falo que me arrependo, de repente fui precipitado. Depois, quando voltei, não me queriam. Tive alguns desentendimentos no clube, discussões via imprensa com dirigentes, e comecei a rodar muito cedo. Acho que foi o ponto crucial (para não deslanchar), pois não teria esse ranço de briga e talvez não haveria os problemas que aconteceram depois. Mas paciência. Tenho minha parcela de culpa, mas Papai do Céu está me dando uma segunda chance - disse Nélio, por telefone, ao GLOBOESPORTE.COM.

Depois do Furacão, Nélio passou por mais de dez clubes. Em 2006, quando estava no Brasiliense, começou a ter problemas na região pubiana. Foi operado em 2008 de forma errada. Ficou 13 meses tentando se recuperar até ter o problema resolvido pelo médico Joaquim Grava, do Corinthians, em uma segunda cirurgia.

- Se estivesse com 32 anos, não recomeçaria. Mas tinha que tentar uma temporada sem dor. Agora estou zero, ainda tenho tempo para gastar. Eu jogava infiltrado (antes das operações), isso as pessoas não sabem - revelou.

No fim de 2009, enfim, iniciou a preparação física para recomeçar a carreira em 2010 e desde então continua pulando de clube em clube. O objetivo agora é fazer uma boa campanha pelo Corinthians para, quem sabe, estar na Segundona do Brasileiro ainda em 2011.

- Não dá para dar um passo maior do que a perna e já querer ir para um campeonato mais forte - justificou.

O Corinthians lidera o Alagoano com 28 pontos, três a mais que o vice-líder Murici. Em 12 jogos foram nove vitórias, um empate e duas derrotas. Nélio ainda não foi às redes.

Conselhos às novas promessas do Fla

Logo no início de 2011, o Fla conquistou a Copa São Paulo de Futebol Júnior e trouxe à tona novos candidatos a ídolos como Nélio foi um dia. Por toda experiência que viveu na época em que era apontado como grande promessa, o meia do Corinthians-AL faz um alerta aos jovens talentos, como Negueba, Muralha, Diego Maurício e César.

- O Flamengo está com uma geração muito boa, e eles precisam só ter paciência, pois vão ter chances. É só questão de tempo. Está acabando essa onda de bad boy no Brasil, e vem uma geração diferente aí, mais inteligente. Esses do Flamengo só precisam ter calma.

Um jogador em especial chamou a atenção de Nélio. Na sua opinião, Adryan, que é meia assim como ele, tem grandes chances de ter um grande futuro se conseguir conduzir a carreira.

- Gostei muito desse jogador. Ele é habilidoso, vai para cima da marcação, é o que mais se assemelha comigo. Acho que o meia tem que fazer isso, não só armar como também definir, fazer a jogada individual.      

veja também