Inter bate o Salgueiro por 3 a 0 e abre boa vantagem

Inter bate o Salgueiro por 3 a 0 e abre boa vantagem

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:05
damiao e dalessandroHá quatro jogos sem ganhar, o Internacional voltou a conversar com a vitória. E num afiado espanhol. Com a participação decisiva de seus gringos, conseguiu furar o bloqueio do Salgueiro-PE, na noite chuvosa desta quinta-feira, no Estádio do Vale, em Novo Hamburgo. O 3 a 0 foi construído no segundo tempo, após uma etapa inicial de vaias da torcida e repleta de desperdício de chances, com gols dos argentinos D'Alessandro e Scocco e do uruguaio Forlán. O time de Dunga carrega ótima vantagem para o confronto da volta, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.
 
A segunda partida será disputada em 29 de agosto, em Pernambuco, e classifica o Colorado até com derrota por dois gols - ou até por três, desde que marque longe de casa. O Salgueiro precisará igualar o 3 a 0 para levar aos pênaltis ou aplicar placares de quatro gols de saldo ou mais.
- Temos que respeitar, ainda tem o jogo de volta - pregou D'Alessandro, que chegou ao 50º gol com a camisa colorada.
Antes, no entanto, os times voltam aos campeonatos nacionais. Ambos no domingo. O Inter recebe o Goiás em Novo Hamburgo, pela Série A, enquanto, pela D, o Carcará visita o Parnahyba, pela 10ª rodada da fase de grupos.
 
Novo meio-campo
Além da chuva insistente que afastou o torcedor, o Inter precisou lidar com problemas na escalação. De última hora, Muriel foi vetado por pancada no abdômen, dando lugar ao irmão Alisson. Com os laterais-direitos lesionados, Dunga improvisou o volante Ygor, devolvendo Jorge Henrique ao meio-campo. Menos mal que Diego Forlán estava de volta, após brilhar na seleção uruguaia.
Ao menos no primeiro tempo, no entanto, o uruguaio passou tão apagado quanto o placar, imutável. Bem que o Inter tentou pressionar desde o começo: primeiro, com chute perigoso de Fabrício, aos 5 minutos, e, depois, por meio de toque habilidoso de Jorge Henrique em rebote de Mondragon, após três minutos, que encontrou o travessão.
 
Chuva... de chutes colorados
Mas a imaginada goleada não surgiu. O Inter abusou dos erros de passes nas fracassadas tramas entre o novo meio-campo de Willians, Jorge Henrique, Fabrício e D'Alessandro. Mesmo desfalcado do artilheiro Elvis, o Salgueiro tentou assustar em investidas esporádicas. Conseguiu aos 30: o lateral Daniel cobrou falta no travessão de Alisson.
 
O lance acordou... o Inter, que tratou de voltar a pressionar o rival de menor expressão. Mais do que isso: empilhou, sem piedade, um arsenal incontável de chutes de longa e média distâncias. Aos 34, Forlán, que quase marcara gol olímpico aos 26, arriscou de fora da área em chute que raspou a trave. Sete minutos depois, Jorge Henrique girou sobre o zagueiro e viu a meta à feição. Mas errou o tiro. Depois, Forlán, de novo, e D'Alessandro arriscaram. Aos 47, o lance incrível. Dois colorados sobre a linha das traves não conseguiram marcar. Damião escorou e o próprio colega Ronaldo Alves esbarrou na bola e impediu o 1 a 0. Fim de bombardeio. Cartucho esvaziado. Alvo intacto. E vaias dos valentes vermelhos que enfrentaram o temporal em Novo Hamburgo.
 
- Não adianta falar em sorte. Temos que insistir, caprichar. Uma hora a bola vai entrar - disparou Damião.
- Precisamos marcar bem e procurar ter a bola, pois temos qualidade - desafiou o confiante zagueiro Alemão.
 
Gringos decidem: 3 a 0
Durou só 45 minutos a experiência de Dunga. Jorge Henrique voltou do intervalo na lateral para uma nova experiência. No ataque. Ygor deixou o time e escalou Scocco, formando, assim, o tão esperado trio ofensivo com Forlán e Damião. Mas quem começou a desfazer o placar zerado foi o velho conhecido D'Alessandro. Com o recurso mais simples possível. De pênalti, sofrido por Damião, aos 3 minutos.
O panorama, no entanto, pouco se alterou. O Inter entrava pouco na área rival, e o Salgueiro, satisfeito com a derrota mínima, pouco fazia na linha ofensiva. De tanto rondar, o time de Dunga, enfim, encontrou a brecha. Em jogada gringa. Aos 21, Forlán levantou, Mondragon saiu mal e deixou a meta vazia. Desta vez, não havia nenhum companheiro a atrapalhar. Scocco estava sozinho: 2 a 0.
O artilheiro retribuiu no final, após uma sequência de gols perdidos pelo Colorado durante todo o segundo tempo. Em cruzamento do argentino, Forlán meteu a cabeça e definiu, aos 42 minutos. Enfim, vitória.
 
Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições