MENU

Ministro do Esporte minimiza atrasos em obras para a Copa

Ministro do Esporte minimiza atrasos em obras para a Copa

Atualizado: Quinta-feira, 22 Março de 2012 as 1:50

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, minimizou os atrasos em obras para a Copa do Mundo de 2014. Nesta quinta-feira, ele afirmou que o "brasileiro tem um jeito próprio de organizar eventos", mas que entrega o que é necessário. Aldo também disse haver um prazo mais elástico para aprovar a Lei Geral da Copa e que não há problema se a Câmara não votar o projeto neste mês de março. Ele participou nesta manhã do programa Bom Dia Ministro da NBR, canal de notícias do governo.

"O brasileiro tem um jeito próprio de organizar e sempre entrega o que precisa", disse o ministro. Ele comparou a preparação da Copa a um desfile de carnaval. "Quem acompanha a preparação de um desfile de escola de samba acha que aquilo não vai sair, mas todo ano acontece e é um evento de referência".

Aldo reafirmou o desejo do governo de aprovar a Lei Geral da Copa ainda em março na Câmara, mas disse não ver problemas se a votação ficar para abril. De acordo com o ministro, há um prazo amplo para a votação.

Além disso, ele prometeu que as garantias dadas pelo governo brasileiro serão cumpridas. "Esse atraso não vai comprometer o calendário. São compromissos e garantias que podem ter um prazo mais elástico, mas as garantias já foram dadas".

O ministro voltou a defender sua interpretação de que os estados e municípios não precisarão alterar legislações que proíbem a venda de bebidas alcoólicas nos estádios caso a Lei Geral da Copa seja aprovada apenas com a suspensão do artigo do Estatuto do Torcedor que trata do tema. Admitiu, porém, que existem visões diferentes da sua sobre o tema. "Não é uma interpretação única".

O ministro não soube explicar porque no caso de gratuidades e descontos em ingressos o texto defendido pelo governo faz claramente uma suspensão de leis estaduais e municipais que abordam o assunto. Na Copa, apenas o Estatuto do Idoso garantirá meia-entrada para a compra de bilhetes. Aldo reconheceu que apenas o governo federal assinou a garantia sobre a proibição da venda de bebidas, mas disse que o acordo é "extensivo" a estados e municípios. E disse que o compromisso é trabalhar para modificar a legislação que proíbe a venda.

veja também