MENU

Wilder Morais usa redes sociais para explicar conversa com Cachoeira

Wilder Morais usa redes sociais para explicar conversa com Cachoeira

Atualizado: Sexta-feira, 13 Julho de 2012 as 12:49

Wilder de Morais (DEM-GO), que tomou posse no lugar de Demóstenes Torres nesta sexta-feira no Senado, usou as redes sociais na quinta-feira para explicar o áudio vazado pela imprensa de uma conversa sua com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

"Se a íntegra da conversa fosse divulgada, a interpretação dos fatos certamente seria outra\", afirmou Wilder em sua página no Twitter.

Agora senador, Wilder substituiu Demóstenes, que teve seu mandato cassado justamente devido a acusações de seu envolvimento com Cachoeira. 

Reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo  na quinta-feira mostra escutas telefônicas obtidas pela Polícia Federal (PF), durante a Operação Monte Carlo, em que Cachoeira afirma que foi responsável pelo crescimento de Wilder em Goiás. \"Eu não vou expor você, cara. Fui eu que te pus na suplência, essa secretaria, fui eu, você sabe muito bem disso. Então, para que eu vou te expor?\", diz Cachoeira.

Em resposta, Wilder diz: \"Carlinhos, pensa um cara que nunca teria encontrado um governo, que nunca teria sido bosta nenhuma. Você está falando com esse cara.\"

No Twitter, o empresário afirma que o áudio é o fragmento de uma conversa e foi mal interpretado. \"Ao contrário do que vem sendo divulgado, meu real propósito não foi mostrar gratidão, mas pôr fim a uma conversa constrangedora.\", escreveu.

"Discutíamos sobre questões de foro íntimo, que resultou na minha separação da esposa\", explicou. Wilder é ex-marido da atual mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça.

Posse

Wilder de Morais (DEM-GO) tomou posse nesta sexta-feira em uma sessão esvaziada com apenas quatro parlamentares em plenário.

Empresário, Wilder é dono da Orca Construtora e de shopping centers em Anápolis e Goiânia. Ele já assume o cargo com senadores cobrando informações publicadas pela imprensa de que teria sonegado bens na declaração do Imposto de Renda.

De acordo com a Justiça Eleitoral, o empresário doou R$ 700 mil para a campanha de Demóstenes em 2010. Com tal valor, Wilder aparece como segundo maior doador de campanha do ex-senador.

 

Leia também: Guiame

veja também