MENU

'50% da crise é um pouco de pânico', diz Lula

'50% da crise é um pouco de pânico', diz Lula

Atualizado: Terça-feira, 14 Abril de 2009 as 12

Presidente voltou a dizer que crise pode ser 'passageira'.

'Vivemos momento de credibilidade e estabilidade política', completou.

Ao falar sobre a economia mundial nesta terça-feira, 14 de abril, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o Brasil vive momento de "estabilidade e credibilidade política" e que o pessimismo tem grande influência sobre os efeitos da crise.

"Num momento em que precisamos todo santo dia fazer quase que uma procissão de fé em reafirmar as convicções no país, (...) se a gente não fizer assim, vai se deixar abater pela primeira notícia negativa que ler. (...) Às vezes eu chego a pensar que 50% do resultado da crise é um pouco de pânico que tomou conta da sociedade. Quando conversei com Obama (Barack, presidente dos Estados Unidos) eu dizia que se não houver movimento mundial para convencer o consumidor a acreditar no poder de consumo, comprar o que precisa, a economia para."

"Vivemos um momento de estabilidade e credibilidade política. Não há venda barata de otimismo", disse Lula, ao ressaltar que o Brasil está melhor do que outros países em relação aos problemas da economia mundial.

Na cerimônia de comemoração dos 110 anos da Kablin, fabricante de papéis, em Telêmaco Borba (PR), ele voltou a dizer que a crise "pode ser muito mais passageira do que se imagina".

Burocracia

O presidente criticou a burocracia no setor público, disse que há "ineficiência", mas que os servidores têm baixa remuneração.

"Minha surpresa é de que a máquina pública brasileira é extraordinária. Se você for nas instituições, ministérios, têm técnicos da mais alta qualificação, mas ganham pouco. (...) Quanto ganha o presidente do Banco Central para administrar milhões? (...) Se vende a idéia de que a máquina pública é cara, o que é cara não é a máquina, é a ineficiência", disse Lula.

Em seu discurso, Lula criticou a burocracia para liberação de licenças. "O Juscelino, se ele governasse o Brasil hoje e tivesse que construir Brasília, ainda não teria conseguido a licença ambiental para fazer a pista para o avião pousar. O Brasil desaprendeu a construir."

O presidente citou o caso específico do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e disse que a instituição tem bons técnicos, mas tem dificuldades em emprestar.

"O problema não é que não tem técnico, é que nos últimos 15 anos, o BNDES desaprendeu a emprestar. (...) Mas a melhora tem sido excepcional e tenho cobrado o Luciano (Coutinho, presidente do BNDES) todo dia. Eu não quero que nenhum empresário desista de seus projetos por que não conseguiu empréstimo", afirmou.

veja também