MENU

Abalada com acidente, Bandeira do Sul completa 48 anos nesta terça

Abalada com acidente, Bandeira do Sul completa 48 anos nesta terça

Atualizado: Terça-feira, 1 Março de 2011 as 1:26

Um dia após o enterro de sete conterrâneos mortos em um acidente envolvendo a rede elétrica durante uma festa de pré-carnaval, moradores de Bandeira do Sul permanecem em luto. A cidade, situada a 440 km de Belo Horizonte, completa nesta terça-feira (1º) 48 anos.

  Apesar de ser feriado municipal, poucos moradores saíram de suas casas para aproveitar a manhã de calor e sol entre nuvens. Com exceção de bares, o comércio estava de portas fechadas. Nas pequenas rodas de conversa que se formavam ao redor da praça principal, o assunto era apenas um: a tragédia do domingo (27).

Durante a festa, fios de média tensão se partiram e caíram próximo a um trio elétrico. Dezenas de pessoas ficaram feridas –15 delas não resistiram. Segundo a polícia, uma serpentina metalizada pode ter causado o acidente. Na segunda (28), houve velório coletivo no ginásio do município; durante a tarde, as sete vítimas bandeirantes-do-sul foram enterradas no Cemitério da Saudade, também em Bandeira do Sul.

Em vez de celebrar o aniversário com música e petiscos, o povo estava cabisbaixo. “Não estamos com clima para festa”, disse o taxista Flaviano Dutra, de 32 anos. “A cidade está parada, morta. Uma fatalidade dessa não poderia acontecer”, acrescentou o aposentado Onofre Boris da Fonseca, de 70 anos.

Segundo o prefeito do município, José dos Santos, o luto, apesar de ter sido decretado oficialmente por três dias, irá durar mais tempo, se depender da população. “Enquanto não passar essa tristeza, não teremos festas aqui.”

A comoção geral se deve, além da grandeza da tragédia, ao fato de a cidade ter apenas 5.340 habitantes, segundo o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Todo mundo conhece todo mundo”, disse Dutra.

Feridos

Após o enterro das vítimas, agora a atenção está voltada aos feridos. Segundo os bombeiros, mais de 50 pessoas se machucaram no acidente. Nesta terça (1º), o número de internados em hospitais da região caiu para 13. Um ferido, que estava na Santa Casa de Misericórdia de Poços de Caldas, foi transferido na noite desta segunda-feira para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, em Belo Horizonte, em estado gravíssimo. Na Santa Casa de Poços, outras onze pessoas estão internadas, sendo que uma adolescente de 14 anos está na UTI, em estado grave.

O 13º ferido é o torneiro-mecânico Waldecy Roberto da Silva, de 32 anos. O homem está na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Pedro Sanches, em Poços de Caldas, cidade vizinha a Bandeira do Sul. “Ele está sedado por causa da dor. Se tirarem o sedativo, ele sofre demais”, disse seu pai, o ceramista Aparecido da Silva, de 59 anos.

Segundo Aparecido, seu filho estava muito próximo do trio elétrico quando o fio se rompeu. “Ele teve ferimentos nas pernas, peito e pulmão. Mas graças a Deus ele está melhorando.”    

veja também