MENU

Ação prende 7 pessoas e acha cofre com ouro em ilha na BA, diz Receita

Ação prende 7 pessoas e acha cofre com ouro em ilha na BA, diz Receita

Atualizado: Quarta-feira, 17 Agosto de 2011 as 1:11

Sete pessoas foram presas na Bahia e uma ilha na Baía de Todos os Santos, em Salvador, foi confiscada durante a operação Alquimia, deflagrada na madrugada desta quarta-feira (17) com objetivo de combater fraudes milionárias cometidos por organização criminosa com atuação em todo país. O balanço da operação na Bahia foi relatado pelo Superintendente Regional da Receita Federal, Romeu Queiroz, no fim desta manhã.

A ação é realizada desde a madrugada por Receita Federal, PF e Ministério Público Federal (MPF) em 17 estados e no Distrito Federal. O objetivo é combater organização criminosa, composta por quase 300 empresas, suspeita de fraudar o Fisco. O prejuízo aos cofres públicos, pelo não recolhimento dos tributos devidos, pode chegar a R$ 1 bilhão. A investigação apontou que as empresas sonegavam tributos estaduais, como Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e federais, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

A Polícia Federal (PF) em Minas Gerais afirmou que, até por volta das 11h desta quarta-feira (17), agentes prenderam 18 pessoas na operação.     Apreensão em ilha

A Polícia Federal informou que a ilha com 20 mil metros quadrados na Bahia foi confiscada. Ela pertenceria a um dos responsáveis pela organização criminosa.  Na ilha, a polícia apreendeu barras de ouro e prata em um cofre, duas armas, oito jet skys, quadriciclo, barco à vela, além de motos e carros de luxo.

De acordo com Queiroz, as sete pessoas detidas fazem parte da diretoria de 100 empresas que participavam do esquema fraudulento, que foi iniciado em 2002 e hoje conta com 70 filiais.

Ainda segundo Queiroz, as empresas atuam no ramo de distribuição e comercialização de produtos químicos, mas também têm negócios com transportes em diversos estados do país e no exterior. A operação constatou também contas em paraísos fiscais nas Ilhas Virgens Britânicas.

A ação é realizada desde a madrugada por Receita Federal, PF e Ministério Público Federal (MPF) em 17 estados e no Distrito Federal. O objetivo é combater organização criminosa, composta por quase 300 empresas, suspeita de fraudar o Fisco. O prejuízo aos cofres públicos, pelo não recolhimento dos tributos devidos, pode chegar a R$ 1 bilhão.

A Operação

De acordo com a Receita, são cumpridos 31 mandados de prisão, 63 conduções coercitivas (quando a pessoa é levada para prestar esclarecimentos na delegacia) e 129 mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e nas empresas supostamente ligadas à organização criminosa. A PF diz, ainda, que ocorre o sequestro de bens de 62 pessoas físicas e 195 pessoas jurídicas.

Os estados onde ocorre a operação são: Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Sergipe. De acordo com a PF, que executa a operação em conjunto com a Receita, ações apenas de sequestro de bens acontecem também nos estados de Amazonas, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará e Piauí, além do Distrito Federal.        

veja também