MENU

Acesso a Nova Friburgo deve ser evitado

Acesso a Nova Friburgo deve ser evitado

Atualizado: Terça-feira, 18 Janeiro de 2011 as 9:13

O acesso de veículos ao município de Nova Friburgo, uma das cidades mais atingidas pela forte chuva na região serrana do Estado do Rio de Janeiro, pela RJ-116 (Itaboraí - Nova Friburgo - Macuco) deve ser evitado ao máximo pelos motoristas. Na altura do quilômetro 75, em Mury, a concessionária Rota 116 S/A já iniciou as obras de recuperação daquele trecho da rodovia que opera no sistema de siga e pare.

São operários máquinas e caminhões que trabalham em três frentes de obras naquele quilômetro, fazendo uma nova drenagem com instalação de manilhas para o escoamento das águas de um rio que atravessa a rodovia e o aterro dos dois buracos que formaram um precipício. Um com 12 m de altura com 2 m de largura e o outro com 29 m de altura e 4 m de largura. O superintendente da concessionária, David Augusto Barbosa, afirma que os motoristas devem evitar circular pela estrada, deixando as pistas livres para as equipes de socorro e resgate e para o transporte de máquinas, equipamentos, suprimentos e medicamentos que a toda hora chega à cidade.

- Durante as obras precisaremos fechar por alguns minutos a rodovia para a circulação de máquinas a chegada de pedras para serem colocadas no aterro e para a circulação dos operários. Por isso a rodovia deve ser evitada, diminuindo os congestionamentos.

A previsão, caso não volte a chuva, é de que aquele trecho da RJ-116 seja totalmente liberado em até dez dias. Também na altura do quilômetro 92, no Vale do Tainá, proximo ao pedágio de Furnas, em Nova Friburgo, o acesso só é permitido para veículos de passeio e caminhonetes por uma estrada secundária aberta emergencialmente.

Em Bom Jardim, onde uma ponte que corta o rio Grande caiu impedindo a ligação da cidade com o trecho sul da rodovia, a Rota 116 já iniciou a sondagem do local para iniciar a fundação de uma ponte emergencial que permita a passagem de carros e caminhões de até 40 toneladas, No local o leito do rio será aterrado provisoriamente em 15 m para a instalação de uma ponte de 30 m de comprimento.

As praças de pedágio da Rota 116 localizadas em Itaboraí, Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo e Macuco continuam recebendo donativos e levando para Nova Friburgo, para evitar o tráfego de veículos em direção a cidade. Caminhões com donativos devem se identificar nas praças de pedágio para poderem ter a isenção de tarifa. O telefone de emeregência da Rota 116 é 0800 282 0116.

O forte temporal que atingiu o Estado do Rio de Janeiro na terça-feira (11) deixou centenas de mortos e milhares de sobreviventes desabrigados e desalojados, principalmente na região serrana.

As cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto foram as mais afetadas. Serviços como água, luz e telefone foram interrompidos, estradas foram interditadas, pontes caíram e bairros ficaram isolados. Equipes de resgate ainda enfrentam dificuldades para chegar a alguns locais.

  No final da noite de sexta-feira (14), a presidente Dilma Rousseff liberou R$ 100 milhões para ações de socorro e assistência às vítimas. Além disso, o governo federal anunciou a antecipação do Bolsa Família para os 20 mil inscritos no programa nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis. Empresas públicas e privadas, além de ONGs (Organizações Não Governamentais) e voluntários, também estão ajudando e recebem doações.

Os corpos identificados e liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) são enterrados em covas improvisadas. Hospitais estão lotados de feridos. Médicos apelam por doação de sangue e remédios. Os próximos dias prometem ser de muito trabalho e expectativa pelo resgate de mais sobreviventes.

Em visita à região de Itaipava, em Petrópolis, o governador Sérgio Cabral (PMDB) disse que ricos e pobres ocupavam irregularmente áreas de risco e que o ambiente foi prejudicado. - Está provado que houve ocupação irregular, tanto de baixa quanto de alta renda. Está provado também que houve dano da natureza. Isso não tem a ver com pobre ou rico.      

veja também