Achei que fosse um avião caindo, diz vizinho de padaria que explodiu

Achei que fosse um avião caindo, diz vizinho de padaria que explodiu

Atualizado: Terça-feira, 5 Outubro de 2010 as 10:39

O barulho da explosão que destruiu o imóvel onde funcionava uma padaria e onde duas famílias moravam em São Mateus, Zona Leste de São Paulo, foi tão alto que fez um dos vizinhos achar que se tratasse de um avião caindo. Três pessoas ficaram sob os escombros e foram socorridas pelos bombeiros – uma mulher e dois homens que viviam no local, um deles o dono da padaria. Ele havia descido para assar os pães pouco depois das 4h desta terça-feira (5) quando houve a explosão. Com o acidente, ele ficou soterrado e só foi resgatado por volta das 8h. Ainda de acordo com os bombeiros, outras cinco pessoas tiveram ferimentos leves e foram socorridas por populares.

“Achei que fosse um avião caindo, já imaginamos logo isso. A gente vê tanto dessas coisas na TV”, contou o montador de móveis Éderson da Silva Soares, que vive com os pais e dois irmãos em uma casa que fica logo em frente à padaria. Com a explosão, as telhas que cobriam a garagem foram jogadas para longe. Os dois carros que estavam no local tiveram vidros e lataria danificados.

O portão também foi amassado e mesmo dentro de casa houve estragos. “Acordei com uma explosão muito forte e com as telhas caindo. Saímos e vimos que na frente estava tudo destruído. Começamos a subir no entulho, conseguimos tirar um rapaz, mas logo sentimos um cheiro de gás muito forte e saímos. Foi quando os bombeiros chegaram”, disse o rapaz.

De acordo com o comandante Carlos Benedito Carvalho Martins, do Corpo de Bombeiros, foram localizados dois botijões de gás com vazamento e um terceiro sem danos. Segundo ele, a explosão aconteceu devido à alta concentração de gás, e pode ter sido acionada quando o dono da padaria, João Evangelista de Souza, de 45 anos, acendeu a luz ou com o funcionamento automático de uma geladeira, por exemplo.

A mulher de Souza, Ivanira de Souza Silva, de 42 anos, acompanhou apreensiva com os quatro filhos o trabalho de resgate do marido. Segundo ela, além de sua família, também morava no imóvel outras cinco pessoas em um imóvel alugado. Um casal foi resgatado pelos bombeiros com ferimentos, mas estável. Das duas residências, sobrou apenas um quarto nos fundos. O restante virou um monte de entulho.

“Eu estava dormindo, meu esposo tinha descido para assar os pães. Só ouvi a explosão. Quando abri a porta do meu quarto, vi tudo no chão”, contou ela, amparada pelos filhos. “Só o meu quarto ficou inteiro, o resto tudo desabou”. Apenas um dos filhos não estava com ela – estava na sala, em um local que não tinha laje, apenas telhas. Por isso, todos escaparam sem ferimentos. Já seu marido foi socorrido, após quase quatro horas sob os escombros, com fraturas e queimaduras na parte frontal do corpo.

Ivanira contou que a padaria funcionava há três anos e que havia seis botijões de gás no local. Uma de suas vizinhas, a doméstica Sueli Corona de Souza, também sentiu o cheiro de gás no local. “Estava saindo para trabalhar quando abri o portão vi tudo caindo. Só vi um dos filhos dela saindo dos escombros e pedindo socorro. Comecei a gritar pelos vizinhos, mas o cheiro estava muito forte”, contou.

Após a retirada do dono da padaria, cães dos bombeiros foram até o local para fazer uma varredura e verificar se não havia ninguém mais sob os escombros – segundo informações das famílias que viviam no local, todas as pessoas já tinham sido localizadas.

Pelo menos quatro imóveis vizinhos tiveram danos materiais causados pela explosão. Na rua estreita, era possível ver muitas garrafas, telhas e até parte de um computador nesta manhã. Um engenheiro da Defesa Civil vai vistoriar o local e os imóveis próximos para verificar a necessidade de interdição na manhã desta terça. A Polícia Técnico-Científica também será acionada para a realização de perícia e para verificar se os estabelecimento comercial tinha as permissões necessárias para operar.

Postado por: Guilherme Pilão

veja também