Adolescente é detida com pedras de oxi na Cracolândia

Adolescente é detida com pedras de oxi na Cracolândia

Atualizado: Terça-feira, 17 Maio de 2011 as 2:46

O Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) de São Paulo realizou na manhã desta terça-feira (17) uma apreensão de 49 pedras de oxi na Cracolândia, na região central da capital paulista. De acordo com Osvany Zanetta, delegado titular do 1º Núcleo de Apoio e Proteção à Escola (Nape), a droga estava com uma adolescente, que foi detida.

Maior apreensão do estado

Nesta segunda-feira (16), o Denarc apreendeu 5 mil papelotes de oxi na favela de Heliópolis, na Zona Sul. De acordo com o delegado Antonio de Olim, divisionário do Nape, os papelotes de oxi estavam prontos para consumo, o que fez com que esta fosse a maior apreensão da droga no varejo no estado de São Paulo. “[A droga] estava pronta para ser consumida na Cracolândia”, disse.

Na segunda-feira, 5 mil papelotes de oxi foram apreendidos na Favela de Heliópolis (Foto: Reprodução/TV Globo)

  Segundo o delegado Osvany Zanetta, os 5 mil papelotes estavam no fundo falso de um barraco da favela. “Era em uma espécie de banheiro. Eles (traficantes) fizeram uma parede de alvenaria e tinha uma passagem. Retirando os ladrilhos, dava para entrar lá dentro”, contou Zanetta. O material seguiu para a perícia.

Ainda segundo Zanetta, os laudos do Instituto de Criminalística (IC) devem ser liberados ainda nesta terça-feira. “Os laudos desses casos dão positivo para cocaína, pois o oxi é um de seus derivados”, disse. Mesmo com a liberação das análises, a droga apreendida deve ficar em cofres do IC, localizado no Butantã, na Zona Oeste, até o anúncio da decisão judicial que determinará o que deve ser feito com ela. “Isso pode demorar até um ano”, disse.

Cracolândia

A Cracolândia é o principal ponto de venda do oxi, que virou o entorpecente mais potente do momento. Nos laboratórios, ele é “batizado”com substâncias como água de bateria, cal, querosene e gasolina.

De acordo com a polícia, cada papelote de oxi é vendido na Cracolândia por R$ 2, mas os agentes suspeitam que os traficantes, se aproveitando do vício dos usuários, vendam o oxi como se fosse pedra de crack a um preço cinco vezes mais alto. “O lucro é maior. Desconfiamos que estão vendendo oxi há muito tempo”, disse o delegado Zanetta.        

veja também