MENU

Advogada de Lindemberg garante que ele falará durante interrogatório

Advogada afirma que Lindemberg falará pela 1ª vez

Atualizado: Quarta-feira, 15 Fevereiro de 2012 as 1:28

A advogada de Lindemberg Alves, Ana Lúcia Assad, disse na tarde desta quarta-feira (15) que o acusado da morte da ex-namorada, Eloá Pimentel, dará sua versão sobre o caso durante o julgamento que acontece no Fórum de Santo André, no ABC. “Ele nunca se pronunciou, é o primeiro momento que vai dar a versão dele. Ele está calmo, tranquilo, focado, está preparado para falar", afirmou.

Questionada sobre como preparou o réu para o interrogatório, ela disse que não deu orientações. "Eu não oriento ninguém. Não oriento cliente nem testemunha. Ele vai falar a verdade e estou aqui para garantir que seja julgado com lisura”, garantiu a defensora.

Lindemberg preferiu o silêncio durante a investigação do caso e a fase de instrução do processo. Por isso, a expectativa é grande para saber o que ele dirá. A advogada preferiu não adiantar o que o réu falará ao júri. “Vamos saber disso daqui a pouco”, afirmou. O julgamento foi interrompido para almoço por volta das 12h30 e deve ser retomado no início da tarde, já com o interrogatório de Lindemberg.

O júri de Lindemberg recomeçou por volta das 11h desta quarta-feira, com o depoimento do tenente Paulo Sérgio Squiavo, que comandava a equipe do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) que invadiu o apartamento onde Eloá e Nayara Rodrigues eram mantidas reféns.

O tenente disse que o réu estava eufórico após os disparos feitos. Segundo Squiavo, Lindemberg teria gritado “Tô vivo e a matei”. A testemunha foi ouvida das 10h50 às 12h20. O comandante da Polícia Militar disse ainda que só invadiu o apartamento porque já havia recebido ordens de seus superiores que poderia fazê-lo caso “estivesse insustentável a situação dos reféns”.

Abandono de júri

A advogada de Lindemberg Alves garantiu que não irá abandonar o júri. Na terça-feira (14), ela chegou a ameaçar deixar o Tribunal do Júri caso da mãe de Eloá, Ana Cristina Pimentel, prestasse depoimento. A própria advogada havia arrolado a mãe da vítima como testemunha de defesa na segunda (13).

“Eu só saio dessa plenária com a decisão da juíza. Eu vou levar o júri até o fim”, disse Ana Lúcia nesta quarta. A advogada se disse otimista em relação ao julgamento. “Estou confiante que a descoberta da verdade real foi aplicada", comentou. Ela pediu para não ser hostilizada.

Ela também comentou sobre a discussão que teve com a juíza Milena Dias nesta terça-feira. "Em nenhum momento eu quis ofender a juíza, mas é comum durante o júri que exista esse desgaste emocional. Nunca cogitei a possibilidade de abandono do plenário a menos que houvesse cerceamento de defesa", afirmou.

Família de Eloá

A mãe de Eloá Pimentel chegou no início da tarde para acompanhar o terceiro dia de julgamento. Segundo Ademar Gomes, advogado da família e assistente de acusação, Ana Cristina amanheceu passando mal, "debilitada emocionalmente, muito nervosa, muito fragilizada".

O irmão de Eloá Ronickson Pimentel dos Santos chegou ao Fórum de Santo André nesta manhã pedindo pena máxima para Lindemberg. " Quero pena máxima para ele, quero a condenação. Ele é assassino", disse. Nesta terça-feira, Ronickson prestou depoimento e chamou o réu de "monstro", descrevendo-o como uma pessoa violenta.

veja também