Aécio admite que PSDB pode apoiar mínimo de R$ 560

Aécio admite que PSDB pode apoiar mínimo de R$ 560

Atualizado: Terça-feira, 15 Fevereiro de 2011 as 3:48

Bandeira de campanha do ex-governador José Serra (PSDB), o salário mínimo de R$ 600 não é unanimidade na bancada do PSDB no Senado. Parte dos tucanos já admite votar o salário mínimo de R$ 560 se o valor de R$ 600 não prosperar na Casa --entre eles o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

"O PSDB tem compromisso com o salário de R$ 600. Mas o realismo da política nos orienta a ter alternativas. Vamos ficar com os R$ 600 até quando possível", disse Aécio.

O tucano recebeu representantes das centrais sindicais nesta terça-feira para discutir o reajuste no mínimo.

Aécio ouviu dos sindicalistas apelos para que o PSDB defenda os R$ 560 no Senado. Apesar das centrais reivindicarem um reajuste maior que os R$ 545 propostos pelo governo federal, não consideram viável o valor de R$ 600 --por isso querem o apoio da oposição.

"Tivemos o compromisso de que, se os R$ 600 forem derrotados no Senado, eles vão no mínimo para os R$ 560", disse o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical.

Aécio disse acreditar que o mínimo de R$ 560 tenha apoio, inclusive, de parte da base aliada governista --por isso o PSDB não pode insistir somente nos R$ 600. "A base do governo é sólida, mas os R$ 560 trazem aliança com outras propostas."

Por Gabriela Guerreiro

veja também