MENU

Aeronáutica investiga pouso forçado no Pará

Aeronáutica investiga pouso forçado

Atualizado: Quinta-feira, 23 Fevereiro de 2012 as 1:48

Quatro pessoas ficaram feridas depois que um helicoptero do corpo de bombeiros do Pará se despedaçou após fazer um pouso de emergência na região metropolitana de Belém.

O Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa-1) investiga se o acidente foi provocado por uma ressonância, fenômeno que provoca forte vibração na aeronave até levar à sua destruição.

Segundo o tenente-coronel Maurício Teixeira, chefe do Seripa-1, a Aeronáutica recolheu as peças do helicóptero para tentar entender o que ocorreu. “Não posso dizer que o fenômeno de ressonância é totalmente raro, mas não é frequente vermos isso acontecer. Ocorre quando a aeronave perde o balanceamento previsto, há um desiquilíbrio das forças que atuam na aeronave em consequência da rotação dos rotores”, explica o oficial.

O acidente ocorreu após o piloto do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp) perceber que a aeronave, um Esquilo, estava com problemas e fazer um pouso de emergência por volta das 10h30 desta quarta-feira (22), 20 minutos após a decolagem, em terreno particular próximo à rodovia BR-316 em Belém, capital do Pará.

O decidiu fazer o pouso porque sentiu “anormalidades e rotação alta”. A Aeronáutica ainda não sabe as causas da ressonância. O local onde o pouso ocorreu pode ser um dos fatores da ressonância, fazendo com que o ar empurrado para baixo voltasse com intensidade, provocando a forte vibração.

Quatro pessoas que estavam a bordo ficaram levemente feridas, segundo o governo do estado . Os passageiros - um delegado da Polícia Civil que atuava como copiloto, um médico e uma enfermeira da Secretaria de Saúde Pública – além do piloto, um major da Polícia Militar, tiveram ferimentos leves e foram encaminhados ao Hospital Metropolitano de Belém para avaliação física.

O helicóptero não possui gravadores de dados e o Seripa pediu informações ao fabricante sobre o balanceamento e a manutenção. Outro caso semelhante foi registrado há alguns anos em São Paulo.

O helicóptero estava com manutenção em dia. O coronel Teixeira não soube informar se a documentação do piloto estava atualizada.

 

 

Com informações de G1

veja também