Amigo diz ter encontrado ex-árbitro consciente após assalto em SP

Amigo diz ter encontrado ex-árbitro consciente após assalto em SP

Atualizado: Quinta-feira, 17 Fevereiro de 2011 as 2:29

O empresário Francisco Monteiro “Todé”, de 67 anos, que aguardava a chegada do ex-árbitro e jornalista Oscar Roberto Godói a seu apartamento para um jantar, na noite de quarta-feira (16), afirmou que desceu até a calçada do edifício ao ouvir os tiros. O amigo já estava deitado no chão, mas continuava consciente quando ele chegou.

Ao ver o empresário, o ex-juiz falou apenas: “Segura os óculos, porque estou mal”, lembrou o amigo que voltava no início da tarde desta quinta-feira (17) de uma visita ao hospital onde Godói passou por uma cirurgia. Chovia na hora do crime, segundo Todé.

“Quando o bandido falou para ele que era um assalto, acho que ele devia entregar tudo. Quem conhece o Godói sabe que ele é uma pessoa de temperamento forte e ele encarou o cara”, afirmou. “Quando estava quase sendo dominado, o bandido disparou”, contou Todé, que já viu as imagens do circuito de segurança do seu edifício, que flagrou a ação do criminoso.     O empresário disse que o jantar era em comemoração a um contrato de patrocínio que fora conseguido por Godói para um programa do qual ele faz parte na televisão. 

Ele afirmou ainda estar muito triste com o ocorrido. “Somos parceiros há mais de 40 anos. Ele é um gozador, um brincalhão. Além de ser meu amigo, ele é uma pessoa muito querida”, disse. Todé disse ter conversado com a família de Godói e com um médico. “Agora é esperar”, declarou.

Estado de saúde

Godói permanecia internado nesta quinta-feira (17) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas de São Paulo, após passar por uma cirurgia durante a madrugada. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, ele está sedado e seu estado é grave.

De acordo com o HC, o ex-árbitro deu entrada no hospital às 22h31 e ficou em cirurgia entre 1h45 e 3h50. Ele foi atingido por quatro tiros – dois de raspão. Um terceiro disparo atravessou o tórax e perfurou um dos pulmões. Outro projétil atingiu a região cervical esquerda e se alojou perto da coluna, que não foi atingida. Os dois ferimentos foram tratados durante a cirurgia. Segundo o hospital, uma das balas continua alojada próxima à coluna do paciente.    

veja também