MENU

Analistas reduzem confiança em ajuste fiscal do governo

Analistas reduzem confiança em ajuste fiscal do governo

Atualizado: Quarta-feira, 23 Março de 2011 as 9:20

Ao invés de aumentar, a confiança de analistas e investidores no cumprimento das metas do ajuste fiscal prometido pelo governo Dilma Rousseff caiu após o anúncio do bloqueio de R$ 50 bilhões em despesas programadas para este ano.

O dado consta da pesquisa permanente feita pelo Banco Central a respeito das expectativas de bancos, empresas de consultoria e outros setores para os resultados da economia. As projeções para as contas públicas, porém, não fazem parte dos resultados apresentados semanalmente ao público.

Pressionada pelas perspectivas de alta da inflação, a equipe econômica divulgou na segunda semana de fevereiro a dimensão do corte a ser promovido no Orçamento. No entanto, só no final do mês passado o governo conseguiu detalhar a medida.

Entre um ato e outro, a tentativa de impressionar o mercado teve efeito inverso: esperava-se, desde o final da campanha eleitoral de 2010, que os governos federal, estaduais e municipais conseguissem poupar o equivalente a 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB, ou a soma de bens e serviços da economia); agora, a previsão é de 2,7%.

Trata-se de uma diferença de R$ 4 bilhões, o suficiente para manter a Câmara dos Deputados por um ano. Mais relevante que o valor, no entanto, é a dificuldade da administração petista em recuperar a credibilidade da política fiscal.

As projeções dos especialistas já estavam abaixo da meta fixada para 2011, um superavit primário --diferença entre a arrecadação e as despesas com pessoal, custeio administrativo, programas sociais e investimentos-- de 2,9% do PIB.

Expectativas para os gastos públicos influenciam as projeções sobre a inflação, que por sua vez influenciam as decisões imediatas dos empresários sobre os preços cobrados pelas mercadorias e serviços.

Depois de negar a necessidade da medida nos tempos de candidata, a presidente Dilma promoveu o corte no Orçamento com o compromisso de atingir a meta sem a ajuda de manobras contábeis e brechas legais.

Estão mantidas na lei, no entanto, todas as possibilidades de abatimento da meta fiscal. Elas têm permitido ao governo driblar desde 2009 os ajustes anunciados.

Por Gustavo Patu

veja também