MENU

Animais de estimação são resgatados de casas que caíram em SP

Animais de estimação são resgatados de casas que caíram em SP

Atualizado: Quinta-feira, 9 Dezembro de 2010 as 4:02

Apesar das perdas materiais e do futuro incerto depois do deslizamento de terra ocorrido quarta-feira (8) no Jardim Maringá, na Zona Leste de São Paulo, muitos moradores comemoravam o reencontro com seus animais de estimação na tarde desta quinta (9). “Fiquei muito feliz porque eles encontraram a minha tartaruga e porque estou viva. O que é material a gente reconstrói. Eu vou reconstruir minha vida e ela vai reconstruir junto comigo”, afirmou a diarista Rosângela Rodrigues de Oliveira, de 59 anos, que morava em uma das casas parcialmente destruídas na Avenida Mendonça Drumond.

Ela não conteve as lágrimas ao ver que a Defesa Civil tinha encontrado sob os escombros a tartaruga Mimi sob os escombros. “Há 35 anos ela mora comigo”, afirmou a diarista, que ganhou abrigo na casa de um sobrinho. A diarista Cláudia Alves de Morais, de 45 anos, também reencontrou o periquito Totó depois de uma noite de angústia. A gaiola não estava amassada, mas estava coberta de poeira quando foi encontrada. “É triste demais, mas fiquei muito feliz de reencontrar o periquito”, disse. “Ela gosta demais dele. Ela estava ansiosa à espera de reencontrar o Totó”, disse o marido da diarista, que se identificou apenas como João. Cláudia aguarda que a Defesa Civil localize "uma mala e retire um som novo que está dentro da caixa" dentro da casa interditada. Enquanto a situação da sua proprietária segue indefinida, Totó está sob os cuidados de uma vizinha.

Balanço feito pela Subprefeitura da Penha e pela Defesa Civil aponta que cerca de 100 pessoas ficaram desabrigadas. Nesta manhã, as casas começaram a ser demolidas manualmente na Rua Fernandes Porto Alegre para evitar que o terreno volte a ceder.

De acordo com o subprefeito da Penha, Cássio Freire Loschiavo, a maior parte das famílias se abrigou em casas de familiares e amigos.

Balanço divulgado pelo coronel Jair Paca de Lima, coordenador da Defesa Civil de São Paulo, mostra que 45 casas foram interditadas e 20 ficaram diretamente atingidas pelo desabamento. O terreno, de acordo com o coronel, está aparentemente estável, apesar da chuva forte que caiu durante a madrugada. “Acreditamos que deve ter havido estabilização do terreno. Ainda é preciso esperar pelo menos cinco dias para termos um parecer sobre a estabilidade do terreno”, afirmou.

veja também