MENU

Ao citar confiança, Serra diz ver campanha de "Davi contra Golias"

Ao citar confiança, Serra diz ver campanha de "Davi contra Golias"

Atualizado: Terça-feira, 26 Outubro de 2010 as 8:58

O candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, criticou nesta segunda-feira (PT) a política econômica do governo Luiz Inácio Lula da Silva. O tucano afirmou que o "modelo petista" de juros altos e moeda forte está levando o Brasil a um processo de "desindustrialização", com predomínio de produtos importados em detrimento da indústria nacional.

"Estamos atravessando um um período de desindustrialização. Não há debate nacional a esse respeito e o país não tem política de desenvolvimento clara para o futuro", afirmou o candidato durante encontro em São Paulo com representantes da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

"O modelo petista é o da desindustrialização militante", disse Serra, para quem o Brasil está rumando a "voltar a um modelo 'hacia fuera' [para fora, em espanhol] de desenvolvimento", baseado sobretudo na exportação de commodities.

Em entrevista após o evento, Serra voltou a tocar no tema da desindustrialização, que disse causar entraves ao investimento em ciência e tecnologia no país.

"Com os juros do jeito que estão, e o cãmbio do jeito que está, você vai tendo é uma invasão de produtos importados - inclusive aqueles de maior tecnologia - e menor investimento no Brasil nesses produtos. Porque há um risco grande para o investidor, porque ele sabe que, prosseguindo essa política econômica, ele perderá mercado em pouco tempo", afirmou Serra, apontando aumento de 12% para 20% da fatia de importados no consumo total da população brasileira.

No evento com as duas principais entidades científicas do país, Serra recebeu documento com propostas para áreas de ciência, tecnologia, inovação e educação. A agenda das entidades inclui, por exemplo, a elevação, em dez anos, do investimento em ciência e tecnologia dos atuais 1,2% do PIB para 2%. O tucano endossou o documento e disse que o tomará como seu programa de governo para o setor. "Eu sou implicante, detalhista, e não vi nada errado nesse programa", disse.

Tucano vê campanha de "Davi contra Golias" e fala em confiança

Questionado sobre as lições que levará da campanha eleitoral, Serra falou em "confiança" e em "baixarias do adversário".

"Tiro um elemento de confiança, porque estamos em uma luta de Davi contra Golias. Nós somos o Davi. E é animador que a gente tenha conseguido chegar até onde chegou, com o apoio de milhões de pessoas entusiastas em todo o Brasil. [...] Agora, em matéria de baixaria por parte do adversário, sem dúvida, das campanhas que eu assisti no Brasil, esta é a pior. Nunca um adversário se aparelhou tanto, jogou tão baixo como nesta campanha, no caso do PT", disse.

O tucano também criticou a candidatura governista ao classificar como "jogada eleitoral" o documento com diretrizes de governo lançado nesta segunda-feira (25) por Dilma Rousseff.

"No caso deles é só uma jogada eleitoral, não tem nenhum significado. Até porque eles pensam 'x' e 'menos 1 sobre x' sobre cada coisa, segundo a conveniência do momento", afirmou.

Serra defendeu como "de alta densidade" os dois discursos que protocolou na Justiça Eleitoral como programa de governo. "Nosso plano está praticamente na internet, através de debates e tudo o mais. Não é um instrumento eleitoral, é o reflexo daquilo que vamos fazer mesmo", disse.

Por: Thiago Guiamarães

veja também