MENU

Após alta, rapaz que ajudou a salvar mulher de enxurrada vai se mudar

Após alta, rapaz que ajudou a salvar mulher de enxurrada vai se mudar

Atualizado: Quarta-feira, 19 Janeiro de 2011 as 8:25

Um dos rapazes que salvaram uma mulher com uma corda durante enchente em São José do Vale do Rio Preto , no Rio de Janeiro, na quarta-feira (12), recebeu alta após ficar internado para tratar do machucado que teve em um dos pés durante o salvamento. Daniel Lopes Cavalcante, de 22 anos, precisou ser internado na madrugada de domingo (16) devido ao agravamento do ferimento.

Em repouso na casa do tio, Daniel disse ao G1 que sua família está se mudando do prédio de onde resgatou dona Ilair Pereira de Souza, de 53 anos, com a ajuda do vidraceiro Gilberto Branco Faraco , de 23 anos, e outras pessoas que estavam abrigadas na laje do local.

"Estamos de mudança para outro bairro. Procuramos um lugar mais seguro", contou Daniel, lembrando dos momentos de tensão vividos no alto do prédio no bairro de Santa Sé, principalmente com o tremor causado pelo choque de uma árvore contra o edifício, após ser arrastada pela correnteza. "É uma lembrança que não queremos ter", disse.     Um dos rapazes que salvaram uma mulher com uma corda durante enchente em São José do Vale do Rio Preto , no Rio de Janeiro, na quarta-feira (12), recebeu alta após ficar internado para tratar do machucado que teve em um dos pés durante o salvamento. Daniel Lopes Cavalcante, de 22 anos, precisou ser internado na madrugada de domingo (16) devido ao agravamento do ferimento.

Em repouso na casa do tio, Daniel disse ao G1 que sua família está se mudando do prédio de onde resgatou dona Ilair Pereira de Souza, de 53 anos, com a ajuda do vidraceiro Gilberto Branco Faraco , de 23 anos, e outras pessoas que estavam abrigadas na laje do local.

"Estamos de mudança para outro bairro. Procuramos um lugar mais seguro", contou Daniel, lembrando dos momentos de tensão vividos no alto do prédio no bairro de Santa Sé, principalmente com o tremor causado pelo choque de uma árvore contra o edifício, após ser arrastada pela correnteza. "É uma lembrança que não queremos ter", disse.   Gilberto Branco Faraco contou que havia outra corda e os dois lançaram na direção de dona Ilair. Depois de várias tentativas, ela conseguiu pegar. Os rapazes deram as instruções para que ela amarrasse firme. “De repente, vi que a água estava chegando muito em cima e puxei e ela se jogou. Falei: 'gente, vai lá ver onde ela está'. Estava com água na metade do corpo”, contou.

O salvamento durou cerca de três minutos. “Comecei a puxar a corda de cima para não dar atrito com o cimento. Toda vez que puxava, gritava para o pessoal prender a corda num caibro, para não voltar. Fazia força todo mundo junto até ela chegar em cima”, disse Daniel.

Quando Ilair chegou ao alto, estava exausta e Daniel também. “Pedi para o Juan segurar a corda e para o Gilberto sair e puxar ela. Ela estava muito exausta. Conseguimos passar através da grade e tirar a corda do corpo dela", disse.     Os primeiros segundos depois do salvamento foram de emoção. "Virei e dei um abraço nela muito forte. Falei, ‘que trabalho você deu pra gente, hein?'. Ela ficou em estado de choque. Fui para o banheiro lavar o machucado. Comecei a chorar. Falei para minha mãe: 'pô, mãe, eu vi ela morrendo'. Logo depois que lavei o machucado e minha mãe fez uma atadura, saí e dei uma abraço nela de novo. A gente chorou junto”, afirmou.

Logo após ter içado dona Ilair, Daniel disse que se sentou e conversou com Gilberto, perplexo. “Disse: ‘isso é coisa de cinema”, afirmou. “Achei que não fosse conseguir”, disse o jovem.

Daniel afirmou que sempre que lembra do que ocorreu, fica feliz. “Fico com um sentimento de alívio. Fico muito feliz. Pôxa, se tivesse deixado a vida dela escapar, o sentimento de peso seria muito grande. Fico aliviado que teve um final feliz”, disse.      

veja também