Após chuva no Rio, parte do comércio de áreas atingidas não abre

Após chuva no Rio, parte do comércio de áreas atingidas não abre

Atualizado: Terça-feira, 26 Abril de 2011 as 11:53

Gabriele encontrou sua loja inundada (Foto: Thamine Leta/ G1)

  Após os estragos causados pela chuva de segunda-feira (25) , muitos comerciantes da Praça da Bandeira e da Tijuca, na Zona Norte do Rio, não abriram as portas. Os proprietários e funcionários dos estabelecimentos trabalham na manhã desta terça-feira (26) para limpar toda a sujeita causada pelo temporal.

“Foi a mesma coisa que aconteceu quando choveu em abril do ano passado. Fiquei dez dias sem poder abrir a loja por causa da água e da lama dentro da minha loja. É terrível”, contou a comerciante Gabriele Quitete, dona de uma assistência técnica na Praça da Bandeira.

Luciana tenta limpar o estrago causado pelo temporal (Foto: Thamine Leta/ G1)

  O local com mais estabelecimentos fechados é a Praça da Bandeira, onde os bombeiros resgataram ainda um corpo na madrugada desta terça. Na Avenida Maracanã, alguns comerciantes abriram as portas mesmo sabendo que teriam que retirar a lama das lojas. Na Rua Conde de Bomfim, na Tijuca, o funcionamento é praticamente normal.

“Essa chuva já entrou para o calendário oficial do Rio. Ninguém faz nada. Pelo segundo ano perdi produtos, a água invadiu a loja e terei prejuízo. Espero conseguir terminar a limpeza ainda hoje”, comentou a empresária Luciana Montenegro, dona de uma loja de motos.

Comércio fechado na Avenida Maracanã (Foto: Thamine Leta/ G1)

  Chove fraco no Rio

O Centro de Operações Rio informou que chove fraco nos bairros de Anchieta, no subúrbio, e Bangu, na Zona Oeste, nesta terça-feira (26). Também chove com um pouco mais de intensidade nos bairro de Santa Cruz e Sepetiba, na Zona Oeste, mas não há registro de alagamentos ou transtornos na região. Segundo dados do Alerta Rio, a cidade ainda segue em estado de atenção em todas as regiões da cidade.

Segundo a Light, moradores da Taquara, em Jacarepaguá, na Zona Oeste, ainda estão sem energia elétrica. Os problemas na rede estão sendo solucionados gradativamente. Parte da Estrada Grajaú-Jacarepaguá também continua sem luz. Segundo a Light, uma árvore caiu sobre os cabos. Com a via interditada pela pedra que deslizou, técnicos não têm como fazer os reparos no restante da rede na região.

No Centro, a Rua do Senado segue completamente alagada nesta manhã. Já na Zona Norte, os principais alagamentos são na Quinta da Boa Vista e no Maracanã.

Trator faz remoção da lama na Praça da Bandeira, na Zona Norte (Foto: Celso Pupo/FotoArena/AE)

  Cefet suspendeu aulas

Ainda no Maracanã, o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet) suspendeu as aulas nesta terça depois que as salas do primeiro andar ficaram alagadas. No segundo andar, a lama complica o acesso ao local. A orientação da direção é que alunos acompanhem pelo site se haverá aulas na quarta-feira (27), já que ainda há vários bolsões d'água no entorno da unidade.

Temporal

O temporal começou ainda na noite de segunda-feira (25) e se estendeu pela madrugada. Além de ter alagado bairros, as chuvas causaram a interdição da Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá por causa do deslizamento de uma pedra.     De acordo com o Alerta Rio, a chuva forte   acumulou 274 mm, em um período de nove horas,  apenas na estação pluviométrica Tijuca/Muda. A mesma estação registrou, às 21h de segunda, o terceiro maior pico de chuva desde a criação do Alerta Rio, em 1997, com um acúmulo de 99,6 mm de chuva por hora.

As estações pluviométricas com maior incidência de chuva nas últimas 24h foram: Tijuca/Muda (274,2 mm), Tijuca (218,2 mm) e Grajaú (185,0 mm), na Zona Norte.

Risco de escorregamento

Segundo o Centro de Operações, a probabilidade de escorregamento é muito alta nas encostas da região da Grande Tijuca, Andaraí, Lins, Grajaú, Rio Comprido e Alto da Boa Vista. A orientação da Defesa Civil é para que as pessoas que moram em áreas de risco se dirijam a pontos de apoio em locais seguros e permaneçam lá até a chuva parar.

A Defesa Civil do Rio registrou quatro deslizamentos de terra na noite desta segunda em favelas da Zona Norte, durante a chuva forte que atingiu a cidade. Segundo o Centro de Operação da Prefeitura do Rio, os deslizamentos aconteceram nas comunidades JK, Borel, Andaraí e Chacrinha. Não houve vítimas.        

veja também