MENU

Após cirurgia, menina baleada na cabeça segue internada no CTI

Após cirurgia, menina baleada na cabeça segue internada no CTI

Atualizado: Quarta-feira, 31 Agosto de 2011 as 10:53

A menina de 9 anos baleada na cabeça em Pedra de Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, permance internada em estado gravíssimo nesta quarta-feira (31) no CTI do Hospital Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul. De acordo com o hospital, ela passou por uma cirurgia durante a noite de terça-feira (30). As informações são da Secretaria municipal de Saúde.

Tiro acidental

O caso aconteceu na manhã de terça. Segundo o delegado titular da 43ª DP (Guaratiba), Antônio Ricardo Lima Nunes, o disparo foi acidental. Ele informou que vai indiciar o pai da menina por porte ilegal de arma e omissão de cautela da guarda da arma. De acordo com a perícia feita na casa da família, a criança teria atirado contra a própria cabeça, pensando que a arma era brinquedo.

"Trata-se de uma pistola de calibre 635, muito pequena, que parece um brinquedo. No local, tudo indica que ela teria se ferido acidentalmente, sozinha", disse o delegado, a princípio, descartando a participação dos irmãos menores de 5 e 2 anos de idade.

"Ele disse não saber como a filha encontrou a pistola. Mas a arma ficava escondida em cima do armário, debaixo de um urso de pelúcia, no quarto das crianças. O armário ficava somente a 73 centímetros de distância da cama mais alta do beliche, na qual a menina dormia", contou Nunes.

Disparo aconteceu quando pai não estava em casa

Segundo o delegado, o pai da criança disse que tinha saído de casa por 15 minutos para comprar material de construção e quando voltou, encontrou a filha ferida. Por ele mesmo ter chamado a PM, o delegado decidiu não prendê-lo em flagrante. A mãe das crianças estava fora trabalhando e quando soube da notícia passou mal.

Pai de menina ferida tinha pistola em casa (Foto:

Alba Valéria Mendonça/G1)

  A criança, segundo o delegado, foi encontrada ferida sentada no chão da sala recostada no sofá. Apenas uma capsula foi deflagrada das cinco que estavam no pente da arma.

"Tudo leva a crer que ela estava brincando", enfatizou o delegado.

O comerciante contou ao delegado que tinha comprado a arma há uns três anos, numa feira no Ceará, para se defender, já que é dono de um bar e trabalha à noite. Embora a arma seja de calibre permitido, segundo o delegado, o comerciante não tem autorização para usá-la.

A pena para porte ilegal de arma, informou o delegado, é de 2 a 4 anos de prisão. Já o crime de omissão de cautela da guarda da arma varia de 1 a 2 anos de detenção. O comerciante vai pagar fiança e responder pelos crimes em liberdade.            

veja também