Arruda reúne advogados para avaliar sua situação política com desfiliação do DEM

Arruda reúne advogados para avaliar sua situação política com desfiliação do DEM

Atualizado: Quinta-feira, 10 Dezembro de 2009 as 12

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), convocou no início da tarde de hoje uma reunião de emergência com seus advogados José Gerardo Grosso e José Eduardo Alckmin na residência oficial em Águas Claras. 

Arruda quer avaliar sua situação política após sua desfiliação do DEM. A dúvida é se haverá ou não condições para ele disputar as eleições de 2010.

O governador confirmou a líderes do partido que pretende deixar os quadros do DEM ainda hoje. O vice-governador do DF e presidente do diretório do DEM local, Paulo Octavio (DEM), disse à Folha Online que recebeu um telefonema de Arruda anunciando que pediria para sair do partido para evitar o desgaste da expulsão.

Antes de trocar telefonemas com lideranças do partido, Arruda já teria tomado conhecimento de que a ministra Cármen Lúcia negou o mandado de segurança protocolado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para tentar suspender o processo de cassação aberto pelo DEM.

A Executiva Nacional do DEM se reuniria amanhã para decidir entre a permanência ou expulsão de Arruda.

Segundo o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que é presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), com a desfiliação, Arruda deixa de ter direito a disputar as eleições de 2010.

''Com ele fora [do partido], acaba o processo de expulsão. Se fosse expulso do partido é que poderia tentar uma batalha jurídica para se candidatar [em 2010], mas, se desfiliando, acaba. Está morta a situação dele porque é um gesto de vontade [própria]'', disse Demóstenes.

Expulsão

Na semana passada, o DEM abriu processo de expulsão de Arruda depois das denúncias que ligam o governador a um esquema de pagamento de propina a deputados da sua base aliada na Câmara Legislativa do Distrito Federal.

O dinheiro repassado aos parlamentares seria arrecadado junto a empresas que mantêm contratos com o governo do Distrito Federal, num esquema que ficou conhecido como ''mensalão do DEM''.

Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do governo do DF, revelou o esquema em troca do benefício da delação premiada, uma vez que responde a mais de 30 processos judiciais.

Barbosa usou câmeras escondidas para flagrar Arruda, deputados distritais e integrantes do governo do DF recebendo dinheiro. O governador afirma que, no seu caso, as imagens são de 2006, quando teria levantado recursos em meio à campanha eleitoral para a compra de panetones e cestas básicas à população de baixa renda do DF.

Por Márcio Falcão

veja também