MENU

Atirador de escola no RJ não tinha antecedentes criminais, diz polícia

Atirador de escola no RJ não tinha antecedentes criminais, diz polícia

Atualizado: Quinta-feira, 7 Abril de 2011 as 1:55

Do G1 RJ

  O atirador responsável pelo ataque à Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7), não tinha antecedentes criminais, segundo a chefe de Polícia Civil Martha Rocha. De acordo com ela, a escola estava em uma semana de comemoração de 40 anos e, por isso, convidando ex-alunos para palestras. Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, era ex-aluno do colégio.

Veja a cobertura completa da tragédia em Realengo

Wellington entrou no colégio com essa justificativa, e chegou a ser reconhecido por uma professora, segundo Martha Rocha. Na manhã desta quinta-feira (7) várias crianças foram mortas no ataque à escola em Realengo.

A chefe da Polícia Civil afirmou que a Delegacia de Homicídios está investigando o caso. A escola ficará fechada para a perícia criminal. O comandante da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte, destacou a ação sargento Alves , que chegou primeiro à escola, e conseguiu atirar nas pernas do atirador. Em seguida, segundo Mário Sérgio, o atirador se matou.

Presenciou o caso? Envie fotos e vídeos ao VC no G1

Segundo o secretário de Saúde Sérgio Côrtes, a maioria das vítimas foi atingida na cabeça e no tórax. “É uma situação muito triste. É uma situação de violência desnecessária contra crianças,” disse.

Mulheres aguardam em frente à Escola Municipal Tasso da Silveira (Foto: Reuters)

  Mapa da escola Tasso da Silveira, em Realengo

(Foto: Arte/G1)  

Atirador deixou carta

De acordo com o coronel da polícia Djalma Beltrami, Wellington deixou uma carta, segundo ele, com inscrições complicadas, no local. “Ele tinha a determinação de se suicidar depois da tragédia”, contou Beltrami. A carta foi entregue a agentes da Divisão de Homicídios.

Segundo a polícia ele usou dois revólveres, que chegou a recarregar várias vezes.

Segundo a polícia, uma equipe da Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV) passava próximo ao local e foi à escola depois de ver crianças correndo pela rua.

Funcionária viu crianças feridas

“O cara entrou, foi para o terceiro andar e começou a atirar. As crianças disseram que foi pai de aluno. Vimos muitas crianças carregadas, desacordadas, baleadas”, disse uma funcionária da escola, que preferiu não se identificar.

saiba mais Veja imagens do caso de tiros em escola no Rio 'Pensei que fosse morrer', conta aluno de escola atacada no RJ Nos EUA, secretária Claudia Costin desmarca palestra e diz que vai voltar Atirador era ex-aluno de escola e deixou carta, diz polícia do RJ Pai de aluno levou seis feridos para hospital após tiroteio em escola no RJ “Começamos a ouvir tiros. Com o eco, parecia que uma coisa estava desabando. Todo mundo correu. Depois, a professora chegou dizendo que o cara chegou atirando em uma sala. Foi um desespero”, afirmou ela.

Secretária de educação volta dos EUA

A subsecretária municipal de Educação do Rio, Helena Bomeny, está a caminho do local. No Twitter, a secretária municipal da Educação do Rio de Janeiro, Claudia Costin, afirmou: “Estou pegando o primeiro avião de volta. Desmarquei a palestra de hoje e não vou ver minha neta.” Segundo o twitter da secretaria, ela está em Washington, nos Estados Unidos.      

veja também