MENU

'Atiraram só na direção deles', diz colega de alunos da FGV baleados

'Atiraram só na direção deles', diz colega de alunos da FGV baleados

Atualizado: Quinta-feira, 24 Fevereiro de 2011 as 3:25

Um aluno da Fundação Getúlio Vargas (FGV) que testemunhou o atentado contra dois colegas em um bar na noite desta quarta-feira (23), no Centro de São Paulo, diz que os tiros foram disparados apenas contra os jovens.

“Estávamos bebendo e jogando cartas quando os bandidos chegaram. Houve confusão, alguns correram. Não entendemos na hora o que estava acontecendo. Atiraram só na direção deles, contra ninguém mais”, afirma o estudante Danilo Tsuyoshi Yamaguchi, que é amigo dos dois baleados e estava na mesma mesa na hora do crime.

O depoimento do jovem reforça a hipótese de crime “encomendado”, levantada pela polícia. Nesta quinta-feira (24), por volta das 14h30, colegas dos estudantes baleados foram até a delegacia prestar depoimento.

Eram 20h30 quando dois homens em uma moto preta desceram de capacete na rua e atiraram contra os estudantes da FGV Júlio César Grimm Bakri, de 22 anos, e Christopher Akiocha Tomiaga, de 22 anos. Ambos foram alvejados por tiros de calibre ponto 45, de uso exclusivo das Forças Armadas. Bakri morreu; Tomiaga está internado. Ele continua em estado grave, segundo o Hospital das Clínicas.  

Yamaguchi diz que desconhece a motivação para o atentado. “Andávamos sempre juntos, nós três. Eles não tinham briga com ninguém, não deviam nada. Se houvesse alguma motivação para isso, eu saberia. Eram pessoas de paz”, diz.

Ele descarta ainda que uma briga ocorrida há um mês em um restaurante possa ter sido a causa. “Aquela discussão que tivemos no Bixiga foi banal. Um desconhecido estava bêbado e mexeu com a namorada do Christopher. Ele era estudante também, mas nem sabemos o nome dele. Não acredito que os matariam por causa disso”, afirma Yamaguchi.

Para o delegado Paulo Afonso Tuffi, que investiga o caso, o crime foi “encomendado”. “São estudantes de classe nobre, é difícil que se envolveriam com um os executores do crime. A execução parece ter sido premeditada, pois os bandidos desceram da moto, de capacete, e foram diretamente em direção aos dois jovens, não atingiram mais ninguém”, diz.

Natural de Porto União, em Santa Catarina, Bakri morava com a irmã em São Paulo, e passou parte da vida em Santa Catarina. Ele cursava o 4º ano de administração de empresas na FGV. Colegas da FGV descreveram como os suspeitos da execução estavam vestidos. Segundo eles, o motorista da moto, uma Falcon preta, estava de capacete, era magro, tinha cerca de 1,80m de altura e usava camiseta vermelha e shorts.

O garupa também estava de capacete e era alto e magro, segundo as testemunhas. Ele estava de camiseta branca e calsa preta.

Segundo o delegado, os dois atiraram ao mesmo tempo contra as vítimas usando pistolas de calibre ponto 45, que é de uso restrito das Forças Armadas.    

veja também