MENU

Atropelamentos caem 61% na região central de SP, diz Prefeitura

Atropelamentos caem 61% na região central de SP, diz Prefeitura

Atualizado: Sexta-feira, 19 Agosto de 2011 as 1

O número de atropelamentos na Zona Máxima de Proteção ao Pedestre – região Central e Avenida Paulista – caiu 61% entre 11 de maio e 10 de agosto de 2011 na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a Prefeitura de São Paulo. No período, foram 13 atropelamentos em 2011 e 33 em 2010. Este é o terceiro balanço divulgado pela Prefeitura desde que a campanha de proteção ao pedestre começou.

A  Zona Leste de São Paulo tem sete das 20 vias onde mais morrem pedestres atropelados em São Paulo, segundo levantamento elaborado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A fiscalização na região, entretanto, ainda não foi reforçada. A Avenida Aricanduva é uma das mais perigosas da região, com 20 mortes de pedestres em 2010 e só ficou atrás das marginais Tietê e Pinheiros. A segunda avenida mais perigosa da Zona Leste é a Sapopemba, com 14 mortos por atropelamento.     Os dados são do Relatório Anual de Acidentes de Trânsito Fatais, realizado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). O ranking mostra ainda que, no ano passado, 11,5% dos mais de 7 mil acidentes deixaram 630 mortos.

Em 2010, onze pessoas morreram atropeladas na Avenida Ragueb Choff, onde a faixa de pedestre e o semáforo nem sempre são respeitados. No cruzamento das avenida Aricanduva e Itaquera, a travessia é em etapas e o pedestre precisa esperar até todos os sinais de pedestres abrirem. Não tem faixa em toda esquina e a travessia segura nem sempre é o caminho mais curto. Na Avenida dos Latinos, a secretária paroquial Andréa Pádua conta que é preciso esperar o sinal de pedestres abrir e ainda olhar para ver se o outro lado da avenida também parou.

O filho da publicitária Cristine Calettti já foi atropelado. Ele cruzou a avenida com o semáforo aberto para os carros. “Ele errou, não quis esperar, atravessou correndo e foi atropelada na faixa. Ele teve fratura exposta na perna, mas foi atropelado em cima da faixa”, diz.

De acordo com o diretor de Planejamento da CET, Irineu Gnecco, a Zona Máxima de Proteção ao Pedestre já está chegando à periferia. "Já estamos em duas áreas – Santana e Lapa – e em três corredores importantes – na Francisco Matarazzo, no corredor 9 de Julho, e na Inajar de Souza, junto à Freguesia do Ó", afirma. Segundo ele, a ideia da CET é que na segunda quinzena de setembro haja uma expansão para outras regiões de São Paulo.          

veja também