MENU

Aumento na venda de veículos em Mato Grosso supera a média nacional

Aumento na venda de veículos em Mato Grosso supera a média nacional

Atualizado: Segunda-feira, 6 Junho de 2011 as 2:10

As concessionárias de Mato Grosso comercializaram 46.081 veículos no acumulado dos primeiros cinco meses deste ano. O volume, considerado histórico pelo setor, representa um aumento de 13,54% na comparação com o que foi vendido no mesmo período do ano passado, que chegou a 40.584 emplacamentos. O crescimento foi superior à média nacional de 8%.

A expansão ocorreu em todos os segmentos, fato que também é considerado único nos últimos cinco anos. Os dados divulgados pelo Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos de Mato Grosso (Sincodiv-MT) mostram ainda que em maio de 2011 foram comercializados 10.563 automóveis, ante a 8.311 registrados em 2010. A diferença neste caso é de 27,10%.

O presidente do Sincodiv-MT, Paulo Boscolo, explica que o cenário positivo é resultado do bom andamento da economia estadual. Ele acrescenta que o desempenho da agropecuária mato-grossenses está beneficiando as vendas de veículos. Para ele, no fechamento do ano, o setor deve crescer em média 10%.

Cuiabá

As vendas de veículos na capital do estado também superaram a expectativa do setor. Pontuando com um crescimento de 8,24% no acumulado do ano, quando os emplacamentos aumentaram de 12.332 para 13.348, o município também foi beneficiado com a chegada de novas marcas no mercado.

O presidente do Sincodiv-MT afirma que a diversidade de empresas contempla o consumidor. “As grandes marcas estão perdendo espaço para empresas pequenas que chegaram no mercado oferecendo veículos completos a custos mais acessíveis”. Em Cuiabá foram comercializados 3 mil carros somente no mês de maio.

Efeito

Para a economista Luceni Grassi, a expansão do setor aliada ao aumento dos juros pode provocar resultados negativos futuramente. “Os juros aumentaram mas as parcelas continuaram dilatadas. Com isso, o consumidor não sente imediatamente o aumento dos preços”. Além disso, ela comenta que a medida do governo para a conter a inflação pode não ter surtido o efeito desejado. Por outro lado, a economista afirma que a continuidade das vendas indica que a renda da população aumentou.

A economista alerta para o consumidor continuar fazendo as contas na hora de adquirir um bem. Grassi diz que as taxas de juros, embora diluídas nas parcelas, podem fazer com que sejam pagos um produto pelo preço de dois ou três. “No geral, a população se atenta aos valores das parcelas e não no preço final do produto”, conclui Grassi.        

veja também