MENU

Bebê abandonado em caçamba no litoral de SP tem alta de hospital

Bebê abandonado em caçamba no litoral de SP tem alta de hospital

Atualizado: Sexta-feira, 29 Abril de 2011 as 12:27

A criança recém-nascida que foi abandonada pela mãe em uma caçamba de lixo em Praia Grande, no litoral de são Paulo, teve alta na manhã desta sexta-feira (29) e deve deixar o Hospital Municipal Irmã Dulce ainda nesta manhã. A criança foi encontrada por um catador de lixo no dia 18 de abril.

Cinco conselheiros tutelares e um oficial de Justiça chegaram ao hospital por volta das 11h desta sexta para retirar a criança, chamada de Vitória no hospital. Segundo os conselheiros, ela só sairá do hospital após a chegada de sua tia, que obteve a guarda provisória da menina. Os médicos querem dar as recomendações necessárias para a mulher.

Desde que chegou ao hospital com um quadro infeccioso, o bebê recebeu tratamento com antibióticos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica.

  A mãe, Rosineide de Salles Lins, de 39 anos, foi presa no último sábado (23) por tentativa de homicídio e abandono de incapaz. Em depoimento na quinta-feira (28), ela disse que não tinha "intenção de matar" a criança e que a deixou perto de uma escola porque alguém podia encontrá-la.

De acordo com o delegado Flávio Magário, ela abandonou a criança porque teve medo de perder o emprego em uma clínica de repouso para idosos. “Ela disse que estava em situação de desespero, de falta de condições financeiras e disse ter se arrependido”, disse o delegado.

Rosineide contou que teve a bebê, sozinha, no almoxarifado da clínica de repouso na tarde do dia 15. Para deixar o trabalho, sem que ninguém percebesse, ela escondeu a criança embaixo das roupas. No dia 16, ela disse ter ficado em casa e cuidado da criança, a quem ela tinha pensado em colocar o nome de Gabriela. No dia 17, ela voltou à clínica com a criança escondida sob suas vestimentas e a deixou no almoxarifado. A menina foi abandonada no dia 18.

Suposto pai

O vigia Miguel Lemos Ribeiro, suspeito de ser o pai da menina, já teve material genético colhido para exame que comprovará ou não a paternidade. Mas ele não deve ficar com a menina.

“Quero reconquistar minha família. Minha mulher não me quer mais. Ela não merecia isso e meu filho de 18 anos [o único dos quatro que teve com ela] não se conforma”, afirmou Ribeiro, que teve um relacionamento extraconjugal com Rosineide.      

veja também