MENU

Beltrame diz que UPPs não acabaram com o tráfico

Beltrame diz que UPPs não acabaram com o tráfico

Atualizado: Sexta-feira, 25 Março de 2011 as 1:25

O secretário de segurança pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou nesta sexta-feira (25) em São Paulo que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) "não acabaram com o tráfico" nas comunidades onde foram instaladas porque, segundo ele "onde estiver renda, vai ter droga".

"As UPPs não acabaram com tráfico, mas acabaram com o território dominado pelo bandido e acabaram com o fuzil, que é o inimigo número um da polícia", disse Beltrame, durante palestra sobre segurança pública em um seminário que reúne personalidades nacionais na área na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

"É impossível você vencer o tráfico no mundo, essa não é prerrogativa do Rio de Janeiro, nem de São Paulo, nem do Brasil. Paris é assim, Londres é assim. O que nós não temos podemos deixar e o que não acontece mais é você ter a venda de droga na frente da polícia", disse ele.

Segundo Beltrame, a polícia percebeu que "não adianta entrar e sair da área", como se fazia antigamente, mas que é necessário a retomada do território, e que é esta a incumbência das UPPs.

"Nós temos que ir para lá (os núcleos de violência) e levar segurança, que é o primeiro dos direitos. Mas quando eu vou, eu levo junto, mesmo que seja de arrasto, todas as outras secretarias. Porque não é o policial armado com um fuzil na escada que vai garantir a segurança da comunidade. Eu tenho que trazer mudanças de cidadania para atender todas as demandas da população", acrescentou o secretário.

"A ideia da UPP surgiu desta inversão de lógica de entrar e sair de uma comunidade, mas de retomada de território. Não adianta você tirar o fuzil, que entra de novo de madrugada. Não adianta tirar a droga que tem muito mais. Não adianta a gente prender, que tem outro na fila para assumir. A ideia é tirar o terremo destas pessoas, que elas ficam vulneráveis, porque o poder delas é só lá dentro (das comunidades)", acrescentou o secretário.    

veja também