MENU

Biblioteca Mário de Andrade será reaberta após 3 anos de reforma

Biblioteca Mário de Andrade será reaberta após 3 anos de reforma

Atualizado: Segunda-feira, 17 Janeiro de 2011 as 4:53

No dia do seu aniversário, a cidade de São Paulo vai ganhar de presente a biblioteca Mário de Andrade nova em folha. Móveis da década de 40 restaurados, acesso para deficientes físicos e mais de 30 computadores para consulta do acervo de cerca de 327 mil livros estarão disponíveis em 25 de janeiro para a população após três longos anos de reforma.

O prédio, construído no centro da capital em 1943 pelo arquiteto francês Jacques Pilon, tem estilo art déco, mas ganha cara contemporânea com a construção da biblioteca circulante – em funcionamento desde julho do ano passado. Ela leva este nome, porque os visitantes podem pegar seus livros emprestados e levar para casa. O “braço popular” da Mário de Andrade, como define a diretora da biblioteca, Maria Christina Barbosa de Almeida, ganhou um mezanino para dar conta dos 43 mil livros que já circulam entre os leitores.

- A gente circula na biblioteca e o livro circula com a gente. Ela abrange todos os assuntos, com ênfase em literatura e ciências humanas. É uma biblioteca de deleite mesmo, de curtição. As pessoas que vêm são diversificadas. A área envidraçada da biblioteca circulante conta ainda com um espaço dedicado exclusivamente a São Paulo, com o acervo de obras que dizem respeito à cidade.

Para usar a biblioteca, é preciso apresentar um documento de identidade com foto e comprovante de endereço recente (dos últimos três meses) em nome do interessado, dos pais ou do cônjuge. A Mário de Andrade, que fica na rua da Consolação, número 94, funciona de segunda a sexta-feira das 8h30 às 20h30 e, aos sábados, das 10h às 17h.

Como em 1940 Construído em uma época em que não se pensava em acessibilidade, o cenário agora mudou. O prédio da Mário de Andrade contará com corrimões, elevadores para cadeirantes e piso tátil (com textura e cor diferentes para ajudar pessoas com deficiência visual). Banheiros também foram adaptados e o auditório onde palestras e cursos são promovidos ganhou uma rampa para o palco.

A sala oval está entre as mais bonitas da biblioteca. Ela foi projetada para leitura de jornais e tem vista para o jardim. Os móveis da década de 40 foram todos restaurados. O mesmo trabalho foi feito na sala de artes. - Estamos tentando deixá-la como ela era em 1940. Naquela época, as pessoas se encontravam aqui para discutir arte. A biblioteca era um ponto de encontro.

Maria Christina conta, emocionada, como é a reação das pessoas que frequentavam a biblioteca quando chegavam ao saguão, que abriga uma escultura de Caetano Fraccaroli, de 1943, chamada A Leitura. - É uma presença muito forte para os frequentadores. Eles chegam aqui e ficam com os olhos marejados, porque o lugar de convivência deles era aqui. Eles vinham estudar e depois iam andar pelo centro, porque tinha o teatro, cineclube, barzinho... Era mesmo um ponto de encontro. Era outra cidade.

Torre de livros Não foi só a estrutura do prédio que passou por melhorias. Cerca de 200 mil livros que estavam tomados por cupins e brocas passaram por uma desinfestação feita com nitrogênio. A biblioteca guarda um acervo de cerca de 51 mil obras raras. Entre elas, estão cartas escritas por padres jesuítas, como as do padre Manoel da Nóbrega, em 1551. Também estão guardadas na biblioteca publicações da imprensa régia, a primeira a ser instalada no Brasil com a vinda da corte portuguesa, em 1808.

A sala que abriga os livros raros ganhou ar-condicionado, aparelhos desumidificadores, cortinas e novos computadores. O espaço é destinado a pesquisadores e estudiosos. O prédio conta ainda com uma torre de 22 andares – cada um com cerca de 12 mil livros. Todos os andares também ganharam ar-condicionado – fundamental para a preservação dos livros.

O público vai encontrar ainda mais de 30 novos computadores na Mário de Andrade. Desses, 12 já estão na biblioteca circulante. Hoje, eles servem para que os leitores tenham acesso ao acervo da biblioteca a aos livros que já foram digitalizados. A ideia é que, em breve, seja inaugurada uma sala para acesso à internet. Mas isso vai ficar para depois de 25 de janeiro.

A praça Dom José Gaspar, que abriga a biblioteca Mário de Andrade, passará por revitalização. Serão plantadas 25 mil mudas por toda a área de 2.915 m². Entre as 18 espécies de plantas, estarão bromélias-imperiais, lambaris e bananas-bravas. As grades que circundam a praça serão trocadas e um deck de madeira servirá de extensão da área de leitura externa da biblioteca.      

veja também