MENU

Bola, réu no caso Eliza, é internado após passar mal em presídio por princípio de infarto

Bola tem princípio de infarto na prisão

Atualizado: Sexta-feira, 17 Fevereiro de 2012 as 11:20

Bola foi internado durante a madrugada após se sentir mal no presídio. Marcos Aparecido dos Santos, Bola, é um dos réus no processo sobre desaparecimento e morte de Eliza Samúdio, ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes. 

O réu teria passado mal no início da madrugada na Penitenciária Professor Soares Jason Albergaria, em São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde está preso em cela individual. Ele foi socorrido por agentes e recebeu primeiro atendimento na policlínica do presídio. Em seguida foi levado para a Unidade de Atendimento Imediato (UAI) Sete de Setembro, em Betim.

Bola foi submetido a exames de sangue e fez um eletrocardiograma, que constataram princípio de infarto, segundo a Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura de Betim. A causa da internação foi confirmada pela Seds.

 Ele foi socorrido por agentes e recebeu primeiro atendimento na policlínica do presídio. Em seguida foi levado para a Unidade de Atendimento Imediato (UAI) Sete de Setembro, em Betim.

A equipe médica informou que Bola teve alta por volta das 10h, mas, no horário, ele permanecia no hospital aguardando a chegada de viaturas do sistema prisional.

Caso Eliza

Após um relacionamento com o goleiro Bruno,Eliza Samudio deu à luz um menino em fevereiro de 2010. Ela alegava que o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul. Segundo a polícia, Eliza teria sido morta no início de junho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A Polícia Civil indiciou Bruno e mais oito envolvidos no desaparecimento e morte da jovem. A Justiça de Minas Gerais aceitou a denúncia do Ministério Público em agosto de 2010. O corpo de Eliza não foi encontrado.

Em dezembro de 2010, a mulher de Bruno, Dayanne; a ex-namorada de Bruno, Fernanda Gomes de Castro; o caseiro do sítio, Elenílson Vítor da Silva; e Wemerson Marques, o Coxinha, foram soltos e respondem em liberdade.

O goleiro, o amigo Macarrão e o primo Sérgio vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

 

 

Com informações de G1

veja também