MENU

Bombeiro diz que resgate em santo andre foi seu presente de aniversário

Bombeiro diz que resgate em santo andre foi seu presente de aniversário

Atualizado: Quarta-feira, 19 Janeiro de 2011 as 3:16

A chuva forte que atingiu a cidade de Santo André, no ABC paulista, na tarde de terça-feira (18), vai ficar na memória de pelo menos quatro pessoas que foram resgatadas pelo Helicóptero Águia 14, da Polícia Militar, com um auxílio de um cesto formado de redes, na rua do Oratório, no centro da cidade. A experiência também foi marcante para quem fez o salvamento.  Em sua primeira missão no cesto e justo no dia do seu aniversário, o soldado Samuel do Amaral Cruz, responsável pelo resgate das pessoas ilhadas, sentiu-se realizado.

- É uma grande satisfação como profissional e também do lado pessoal ter participado deste resgate. Foi um presente de aniversário. Foram cerca de 16 minutos de desespero para as vítimas, como contabilizou o hangar onde ficam os Helicópteros da Polícia Militar. Os comandantes e soldados viram o problema pelas imagens registradas na imprensa e foram para o local. A aeronave saiu por volta das 18h57 do hangar e iniciou a operação de salvamento às 19h13. O copiloto da aeronave, capitão Cancian, contou como foi a operação.

- Perdemos um pouco de tempo porque, ao chegar no município, tivemos que sobrevoar a área, analisar onde a aeronave iria deixar as vítimas, para depois executar o salvamento. Além das duas vítimas que foram retiradas de dois veículos na avenida Oratório, o capitão revelou que outras duas pessoas em situação pior foram resgatadas na mesma rua. - Um pouco mais a frente dos dois salvamentos, conseguimos resgatar duas pessoas que estavam no teto de uma perua Kombi. A situação era de risco muito grande porque o veículo estava sendo seguro por uma corda e com possibilidade de tombar. Para não correr risco, resgatamos as duas pessoas de uma vez, já que o cesto comporta duas pessoas mais o policial que auxilia no resgate.

Desespero A primeira pessoa a ser retirada de dentro de um veículo foi José Camilo de Olivera, de 60 anos. O carro estava pela metade submerso, devido ao transbordamento do córrego Comprido. Em detalhes, ele contou como ficou ilhado dentro do carro. - Estava trafegando pela rua Oratório quando o córrego começou a transbordar. Em pouco tempo já não tinha mais como seguir e parei o veículo. Um carro que estava na frente do meu não suportou a força da correnteza, foi arrastado e bateu na dianteira do meu veículo. Não tinha o que fazer, ouvia estalos na frente do meu carro e resolvi esperar até o último momento.

Olivera contou que, enquanto aguardava o resgate, passou por momentos assustadores. - Nunca vi uma coisa assim, fiquei muito assutado.

De acordo com a Prefeitura de Santo André, choveu cerca de 60 mm na cidade, a maior intensidade desde o início do ano. Dezenas de ruas ficaram alagadas por conta do temporal da tarde de terça-feira, o que ocasionou o transbordamento dos córregos do rio Tamanduateí, Guarará, Comprido e córrego dos Meninos, os principais da cidade.    

veja também