MENU

Bombeiros do DF recebem aparelho que antecipa a detecção de infarto

Bombeiros do DF recebem aparelho que antecipa a detecção de infarto

Atualizado: Quarta-feira, 11 Maio de 2011 as 2:10

O Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, em parceria com o Serviço de Atendimento de Urgência (Samu), começou a usar em seu helicóptero, nesta quarta-feira (11), o aparelho Tele-Eletrocardiógrafo Digital Portátil, que permite que um paciente com suspeita de infarto possa ser diagnosticado e medicado ainda dentro da aeronave.

O Distrito Federal é a primeira região do país a ter o aparelho usado em helicópteros. De acordo com coordenador do Samu no Distrito Federal, Rodrigo Caselli, o DF e outros estados já utilizam a tecnologia em ambulâncias do Samu. “No DF, o aparelho é usado pelo Samu há um ano. Neste período, tivemos uma melhora muito grande no atendimento”, avaliou.

Simulação do socorro a um paciente infartado com o uso do Tele-Eletrocardiógrado Digital. (Foto: G1 DF)

  O aparelho transmite o eletrocardiograma – exame que identifica doenças cardiovasculares graves – via telefone celular para o Hospital do Coração de São Paulo (Hcor), onde funciona uma Central de Telemedicina. Lá, cardiologistas analisam o exame e enviam o resultado para a equipe de socorro em até cinco minutos. Com a antecipação do resultado, o paciente é medicado antes de chegar ao hospital.

“Diagnosticar um infarto na aeronave, com a unidade de suporte avançado podendo começar a medicação imediatamente, aumenta muito a chance de sobrevivência do paciente”, ressaltou Caselli.

Tele-Eletrocardiógrafo Digital Portátil  (Foto: G1 DF)

  Com o infarto detectado rapidamente, segundo a coordenadora médica pró-hospitalar do Corpo de Bombeiros, Vilany Mendes, as chances de sequela para o paciente diminuem significamente. “O tempo é preciso neste tipo de atendimento. Com o helicóptero, eu gasto oito minutos para chegar até um hospital”, disse.

O helicóptero de socorro dos Bombeiros também recebeu um kit com a medicação necessária para o atendimento. O “Kit Trombólise” é custeado pela Secretaria de Saúde do DF. Segundo Vilany Mendes, cada ampola do medicamento tenecteplase, principal medicamento do kit e que atua desobstruindo a artéria, custa R$ 5 mil.      

veja também