MENU

Bombeiros seguem buscas por corpo de vigia no desabamento em Guarulhos

Bombeiros seguem buscas por corpo de vigia no desabamento em Guarulhos

Atualizado: Quarta-feira, 4 Dezembro de 2013 as 6

foto
O Corpo de Bombeiros seguia, na manhã desta quarta-feira (4), o trabalho de remoção de entulho para tentar encontrar o vigia e ajudante de pedreiro Edenilson Jesus Santos, de 24 anos. Ele está desaparecido desde a noite de segunda (2), após o desabamento do prédio em construção em que ele trabalhava em Guarulhos, na Grande São Paulo.
Por volta das 6h30, as equipes de resgate chegavam perto do alojamento onde o jovem costumava dormir, no segundo subsolo do edifício. Na terça, os bombeiros encontraram os documentos dele e uma cama que estava intacta no meio do entulho.
 
A queda do edifício de cinco andares, com 30 apartamentos, aconteceu por volta das 19h20 desta segunda-feira na Avenida Presidente Humberto Castelo Branco, altura do número 1.900. Os 13 operários já haviam saído. O vigia, de 23 anos, costumava dormir no segundo subsolo do prédio e não foi mais visto desde então, segundo colegas de obra e a família. 
 
"Pela planta que temos, o alojamento deles era no segundo subsolo. Possivelmente, esse rapaz estava lá", disse o capitão dos Bombeiros Alessandro da Silva, que atua nas buscas.
Os bombeiros encontraram nesta terça, nos escombros, alguns pertecens da vítima: "Acabamos de retirar do entulho a carteira com a identidade e o número do telefone. Já ligamos e deu caixa postal. O trabalho agora vai se basear tecnicamente nos cães, que vão dar suporte para a gente, delimitando locais onde a gente pode atuar", afirmou Palumbo.
O capitão falou da dificuldade em encontrar a vítima com vida. "São nove pavimentos (cinco andares, térreo, mezanino e dois subsolos), e a vítima que estamos procurando está no segundo subsolo. A gente verifica que é uma situação bem difícil. Se a gente encontrá-lo com vida, com certeza ele vai ter muitas histórias para contar".
 
Rachaduras
Irmão do vigia, Edvaldo Jesus Santos, que também trabalha na obra há 7 meses, disse que via rachaduras na estrutura do prédio. "A gente fazia um dia, e no outro dia ela estava de volta". Edvaldo também relatou a falta de equipamentos de segurança durante a construção.
O advogado da construtora responsável pelo edifício disse que essa hipótese é improvável. “Sem equipamento de segurança é impossível. Obra deste tamanho sem fiscalização não existe”, afirmou Maurício Monteagudo, que defende a empresa Salema Comércio, Construção e Projetos Ltda.
O pedreiro Gildásio Santos, tio de Edenilson, disse ter certeza de que o jovem está sob os escombros. "Ele trabalhava e morava aqui [obra], só ia pra casa da irmã dele no fim de semana". Segundo o tio, a família está tentando falar com o vigia desde o acidente, mas não consegue. "A esperança da família é que ele seja encontrado com vida. Estou torcendo para essa história ter um final feliz".
 
Cães
Nesta manhã, o capitão Carlos Roberto Rodrigues, do Corpo de Bombeiros, informou que os cães farejadores sinalizaram uma possível localização da vítima, em um ponto a cinco metros de distância da rua e cerca de 7 metros abaixo do térreo.
 
"Estamos trabalhando com todo o cuidado para tentar chegar próximo a esse local sinalizado pelos cães. Nós estamos falando de um desabamento em camadas. Mas, no segundo subsolo, onde havia a maior probabilidade de estar o operário, existem espaços vitais isolados, onde há uma maior probabilidade de nós o acharmos", disse.
O ponto apontado pelos cães é uma área no segundo subsolo a cerca de 10 metros de distância de um chuveiro encontrado aberto. Segundo o capitão, a estrutura dos escombros foi alterada com uma movimentação de lajes, o que torna o local muito instável e de alto risco para o trabalho dos bombeiros.
 
Moradores de uma casa que fica ao lado da construção, e que também foi atingida pelos escombros, foram retirados em segurança. Oito casas da rua debaixo foram esvaziadas por precaução, de acordo com a Defesa Civil. Os moradores foram encaminhados para residências de parentes ou abrigos. Às 7h desta terça, três residências já haviam sido liberadas.
Mais de 20 equipes dos Bombeiros de Guarulhos, Suzano e Mogi das Cruzes foram enviadas ao endereço.
O prédio que estava sendo construído na avenida, que fica paralela à Rodovia Presidente Dutra, era comercial, segundo a Prefeitura de Guarulhos.
 
Alvará de construção
Por meio de nota, a prefeitura de Guarulhos informou que o "alvará de construção foi emitido em 23 de novembro de 2012 para erguer um condomínio residencial de 30 apartamentos e 2 salões comerciais, totalizando 3.706 metros quadrados". No dia 14 de maio, a empresa Salema Comércio, Construção e Projetos Ltda., responsável pela obra, entrou com um pedido de substituição do projeto, acrescentando um mezanino em um dos salões comerciais. "Esse alvará foi expedido em 6/11/2013, por atender aos requisitos legais e técnicos aferidos pela prefeitura", informou o comunicado.
De acordo com a prefeitura,  "a responsabilidade sobre a execução da obra, de modo a garantir que todas as medidas de segurança estrutural do prédio e de bem-estar dos funcionários que a executavam fossem cumpridas, cabe à empreiteira, através do seu engenheiro responsável".
O G1 tentou entrar com contato com o proprietário da Salema Comércio, Construção e Projetos Ltda., mas não obteve retorno.
 

veja também