MENU

Bope prende suspeito de tráfico e apreende drogas na Maré, no Rio

Bope prende suspeito de tráfico e apreende drogas na Maré, no Rio

Atualizado: Quinta-feira, 3 Novembro de 2011 as 8:33

Um dia após a morte de Marcelinho Niterói , apontado como o braço direito do traficante Fernandinho Beira-Mar , policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) prenderam, na noite desta quarta-feira (2), um suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas, no Conjunto de Favelas da Maré, no subúrbio do Rio. Segundo a PM, ninguém ficou ferido.

Em nota oficial, a Polícia Militar informou que o homem foi preso durante uma operação na Rua Tatajura, na Favela Nova Holanda. De acordo com a PM, com ele, foram apreendidas 175 trouxinhas de maconha e 41 cápsulas de cocaína. O Bope realiza operações contra o tráfico de drogas na comunidade desde o dia 14 de outubro.

Em outro ponto do Conjunto de Favelas da Maré, na Rua C, na comunidade Baixa do Sapateiro, os policiais apreenderam dois radiotransmissores, um carregador, 15 munições, 56 papelotes de cocaína, dez pedras de haxixe, 113 trouxinhas de maconha, 25 tabletes de maconha, 95 pedras de crack e uma boina preta.

Já na Rua Ari Leão, no Parque União, os policiais apreenderam 175 trouxinhas de maconha, 184 sacolés de cocaína, dois tabletes de maconha, quatro sacos de 245g cada de maconha.

O preso e as drogas foram levados para a 21ª DP (Bonsucesso), onde o caso foi registrado.

Dois mortos e dois feridos na terça-feira

Na terça-feira (1º), Marcelinho Niterói foi morto durante uma operação da Polícia Federal, com apoio do Bope e da Polícia Civil, na Favela Parque União. Segundo a Secretaria estadual de Segurança Pública, além dele, um outro homem morreu e mais dois ficaram feridos. Marcelinho Niterói  também era apontado como o principal fornecedor de drogas da maior facção criminosa do Rio. A Polícia Federal informou na tarde desta quarta que um dos feridos durante ação, que está no Hospital Federal de Bonsucesso, será intimado na condição de testemunha para prestar declarações tão logo receba alta.

Parentes dizem que as vítimas não tinham envolvimento com criminosos. "Chegaram dentro do campo de futebol dando tiro. Meu irmão está lá em cima na sala de cirurgia, é um moleque de bem", disse um rapaz, que não quis se identificar, na porta do hospital.

De acordo com o Bope, os policiais foram recebidos a tiros por suspeitos que seriam comandados por Marcelinho. O confronto aconteceu na Rua Ari Leão, na Favela Parque União. Com o suspeito, os policiais apreenderam uma pistola Glock 45 e material entorpecente não contabilizado. O Bope realiza operações na comunidade desde o dia 14 de outubro.

Suspeito chegou a ser levado para hospital

Em nota oficial divulgada por volta das 22h40 desta terça, a Polícia Federal informou que Marcelinho foi socorrido pelos policiais e encaminhado para o Hospital Geral de Bonsucesso, também no subúrbio. Mais tarde, por volta das 23h, uma nova nota da PF confirmou a morte do suspeito.

Procurado desde 2002 e com vários mandados de prisão decretados pela justiça, Marcelo da Silva Leandro, de 34 anos, o Marcelinho Niterói, era considerado o principal sócio do traficante Fernandinho Beira-Mar na distribuição de drogas no estado. Segundo o Bope, ele era apontado como o principal fornecedor de drogas da maior facção criminosa do Rio de Janeiro.

Em maio de 2000, a polícia do Paraguai prendeu Marcelinho, na cidade de Capitan Bado. Na época, ele chegou a trocar tiros com os policiais, mas acabou se entregando.

Marcelinho Niterói foi condenado a cinco anos de prisão, acusado de vender armas para traficantes do Rio. Mas, em 2002, fugiu após ganhar liberdade condicional.

Beira-Mar cumpre pena na Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, por homicídio e tráfico de drogas. No dia 25 de outubro, o  Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou um pedido dos advogados do traficante para que ele seja transferido para algum presídio do Rio. O STF manteve a decisão anterior do Tribunal Regional Federal (TRF).        

veja também