MENU

Buzinas barulhentas perturbam o trânsito e podem gerar multa

Buzinas barulhentas perturbam o trânsito e podem gerar multa

Atualizado: Sexta-feira, 12 Junho de 2009 as 12

Um acessório muito usado por proprietários de automóveis anda na mira da fiscalização: as buzinas eletrônicas. Buzina é para servir de alerta, chamar a atenção. Mas de uns tempos para cá o som tradicional ganhou uma barulhenta diversidade. São as buzinas eletrônicas e seus bichos. Os kits comprados nas lojas também paqueram, soltam berros, forçam a barra.

A lei não proíbe o uso, mas se o barulho estiver acima do permitido é multa na certa e não adianta chorar. Para Antonio Mário, a buzina eletrônica é pura diversão: "Acho legal".

Cavalaria e assobio, tudo bem. O problema é quando ele aciona uma buzina com barulho de burro. É o zurro da provocação: "É estranho. Não dá para saber se ele é o burro ou se está chamando a gente de burro", diz um rapaz.

De acordo com o artigo 41 do Código de Trânsito Brasileiro, o condutor de veículo só poderá fazer uso de buzina, desde que em toque breve, nas seguintes situações: para fazer as advertências necessárias a fim de evitar acidentes; e fora das áreas urbanas, quando for conveniente advertir a um condutor que se tem o propósito de ultrapassá-lo. O grande problema é a falta de fiscalização para multar os motoristas barulhentos.

A falta de ética no trânsito não pára por aí. Tem gente inventando moda trânsito afora. São motoristas que escolheram um estilo próprio e ilegal de dirigir. No corredor do trânsito, o motoqueiro avança tirando fino dos carros. É uma manobra facilitada pela troca do guidão original por outro modelo, mais curto e mais estreito.

"Você tem mais equilíbrio, pode jogar a moto dos dois lados", explica o motoqueiro. "Pode ser considerada uma alteração na característica do veículo. Perda de sete pontos na carteira e multa de R$ 191", avisa um policial.

As placas de automóveis também são modificadas. De longe, parece tudo igual. De perto, é um carnaval de tipos gráficos, modelos para todas as vaidades. Para acabar com a farra, padronização. Carros emplacados a partir de janeiro de 2009 só poderão usar um modelo, com um tipo de letra.

veja também