MENU

Cabo do Exército no Alemão se fere com tiro acidental na cabeça

Cabo do Exército no Alemão se fere com tiro acidental na cabeça

Atualizado: Quarta-feira, 26 Outubro de 2011 as 3:52

Um cabo da Força de Pacificação do Conjunto do Alemão, na Zona Norte do Rio, se feriu na cabeça com um tiro acidental de sua própria arma na noite de terça-feira (25), segundo informou na tarde desta quarta-feira (26) a Seção de Comunicação Social do Comando da Força de Pacificação. 

De acordo com a Força de Pacificação, o jovem foi levado para a UTI do Hospital Central do Exército, em Benfica, na Zona Norte do Rio, e seu quadro de saúde é grave.

Em nota, a Força de Pacificação lamentou o acidente e disse que foi determinada a abertura de um Inquérito Policial Militar para apurar as circunstâncias do acidente. Leia a nota na íntegra no fim da reportagem.

Outro caso

Em janeiro, um soldado morreu atingido  por um disparo acidental de pistola no posto de observação instalado numa das estações do teleférico da região. Um mês depois, um Inquérito Policial Militar concluiu que o soldado foi atingido por um tiro disparado por um colega de farda acidentalmente.

A íntegra da nota

“A Força de Pacificação lamenta informar que, em 25 de outubro de 2011, por volta das 21h, o CB Vitor Hugo da Silva Veiga, do 15º Regimento de Cavalaria Mecanizada, quando se encontrava no interior do alojamento de Cabos e Soldados, foi atingido por um disparo acidental de sua própria arma de fogo. O militar foi imediatamente socorrido e conduzido para o Hospital Central do Exército, onde foi operado. Nesse momento, encontra-se no CTI e seu estado é considerado grave. A família foi imediatamente informada e encontra-se no hospital acompanhando a evolução do caso. A Força de Pacificação está prestando toda a assistência necessária aos familiares do militar ferido. Foi determinada a abertura de um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as circunstâncias do fato ocorrido.”   Suspeitos de tráfico

Imagens feitas pelo Exército , que desde novembro do ano passado ocupa o Conjunto de Favelas do Alemão, mostram suspeitos de tráfico de drogas agindo em lajes da comunidade.

A partir desses registros e com autorização da Justiça, os militares revistaram residências suspeitas e localizaram fuzis escondidos. A informação é do comentarista de Segurança Pública da TV Globo, Rodrigo Pimentel.

Na segunda-feira (24), o governo renovou permanência dos 1.800 homens do Exército no Alemão por mais seis meses.

“São traficantes vendendo cocaína a luz do dia (...) O Alemão já esta pacificado, com 1.800 homens, mas o tráfico persiste, é natural. Está acontecendo em todas as favelas pacificadas. Os traficantes percebem a chegada dos militares do Exército e fogem. Vão por uma via ou uma área de mata”, explicou Pimentel.

Ele ressaltou que o objetivo da pacificação no Rio era acabar com a ditadura da arma. “Ninguém era ingênuo de acreditar que qualquer ocupação fosse acabar com o tráfico. Porque não acaba com o tráfico. Existe demanda, existe usuário, então existe traficante”, disse o comentarista.

Em uma das casas, militares encontraram um buraco no chão, com armas e radiostransmissores. Um fuzil estava embalado.

“Um fuzil faz toda a diferença em uma favela. Com o fuzil o traficante consegue impedir a chegada de policiais militares, de forças armadas”, afirmou.

Permanência no Alemão

O prazo final de permanência das tropas do Exército no Alemão e na região da Penha seria em outubro deste ano, mas o governo pediu ao Ministério da Defesa a prorrogação para junho de 2012. Depois disso, a previsão é de que haja uma gradual substituição dos militares do Exército por policiais militares do estado do RJ.

"Esta extensão do convênio significa que vamos poder instalar a UPP da Mangueira em novembro e que vamos poder agir em outras comunidades ainda este ano e em junho assumir o Conjunto da Penha e do Alemão. O apoio da Força de Pacificação vai nos dar fôlego e antecipar calendários, e quem ganha com isso é a polulação", afirmou Cabral, durante o evento na segunda-feira.        

veja também